Mantega: resultado do BB é lição para bancos privados

Com fortes críticas aos bancos privados, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, comemorou nesta quinta-feira o fato de o Banco do Brasil ter retomado a liderança no ranking de instituições financeiras do país em ativos.

REUTERS

13 Agosto 2009 | 13h37

Segundo o ministro, o resultado do BB no segundo trimestre mostrou que "é possível fazer política pública e, ao mesmo tempo, contemplar acionistas".

Mantega fez ainda um alerta aos bancos privados, afirmando que, se eles não seguirem o exemplo das instituições públicas e reduzirem seus spreads, "vão comer poeira" e "perder mercado".

Ele rebateu comentários feitos nesta semana pelo presidente do Itaú Unibanco de que algumas taxas de juros praticadas por bancos públicos não seriam sustentáveis.

"Roberto Setubal se equivocou, falou antes de ver o resultado do Banco do Brasil, cometeu um erro grave", disse o ministro.

"(Os bancos privados) deveriam seguir o exemplo do BB, senão vão começar a comer poeira", acrescentou Mantega.

Procurada, a Febraban, federação que representa os bancos, afirmou que não comentaria as declarações de Mantega.

O BB fechou o segundo trimestre de 2009 com lucro líquido de 2,348 bilhões de reais, alta de 42,8 por cento frente ao mesmo período do ano passado. No período, a instituição registrou uma elevação de seus ativos e retomou a liderança do setor bancário no país, superando o Itaú Unibanco.

Mantega trocou a diretoria do BB em abril, quando levou ao cargo de presidente da instituição o funcionário de carreira Aldemir Bendine, sob uma forte cobrança para que ele liderasse um ciclo mais ousado de redução dos juros para estimular a retomada da economia.

A iniciativa gerou temores entre alguns investidores de que a orientação do governo pudesse comprometer os resultados do BB.

(Por Isabel Versiani)

Mais conteúdo sobre:
BANCOSMANTEGAATUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.