Mantega:crédito cresce a taxas inferiores ao desejado

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou nesta sexta-feira que o crédito cresce a taxas inferiores ao desejado para sustentar o crescimento da economia.

REUTERS

04 Maio 2012 | 13h48

"O crédito não está crescendo a contento", disse o ministro, acrescentando que a solução é aumentar o volume, baixar os juros e os spreads para o consumidor. "Mas os bancos são um pouco resistentes", acrescentou.

O volume total de crédito disponibilizado pelo sistema financeiro cresceu 1,7 por cento em março, atingindo 2,07 trilhões de reais. Nos últimos 12 meses, de acordo com o Banco Central, a expansão está em 18 por cento.

Esse percentual é considerado alto pela autoridade monetária que espera que, depois de um crescimento de 19 por cento em 2011, o crédito tenha uma moderação expandindo-se a 15 por cento.

QUEDA DE JUROS

Mantega afirmou ainda que uma taxa de juros real de 2 por cento é um sonho que todos os brasileiros deveriam ter e defendeu as alterações na poupança anunciadas pelo governo na quinta-feira.

O governo encaminhou ontem medida provisória ao Congresso alterando os ganhos da poupança para abrir caminho para o BC reduzir ainda mais a taxa básica de juros, que hoje está em 9 por cento ao ano.

A proposta é que toda vez que a Selic ficar igual ou abaixo de 8,5 por cento, a remuneração da poupança passará a ser de 70 por cento da Selic mais Taxa Referencial (TR). Quando a Selic for maior do que 8,5 por cento, as regras atuais ficam mantidas --remuneração de 0,50 por cento ao mês mais a TR.

Segundo Mantega, o pequeno poupador deve continuar na poupança, que é a melhor aplicação para esse público. "Estamos num processo salutar de redução de juros no Brasil", afirmou.

Ele sustentou que, apesar da queda no juros, o custo financeiro do Brasil ainda é muito grande e incompatível com a atual situação da economia. "O custo financeiro é um dos maiores do mundo. É uma má notícia porque somos campeões de algo que é negativo, mas a boa notícia é que temos uma grande margem para reduzir esse custo", afirmou o ministro em seminário em São Paulo.

Guido Mantega ainda voltou a afirmar que o spread bancário no Brasil é muito alto e que precisa ser corrigido, sendo que a Selic em queda também ajudará na redução dos spreads.

(Reportagem de Frederico Rosas)

Mais conteúdo sobre:
MACROMANTEGACREDITOATUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.