Maratona diária dura pelo menos cinco horas

Pelo menos cinco horas do dia do administrador Laércio Luiz Muniz, de 40 anos, são gastas para ir e voltar da empresa em que trabalha. Mas não é somente o tempo no deslocamento diário que o diferencia da maioria dos outros paulistanos. Seu percurso envolve uma combinação de pedaladas, trens, metrô e ônibus. São mais de 50 quilômetros entre São Mateus, na zona leste de São Paulo, e Itapecerica da Serra, onde trabalha.

, O Estadao de S.Paulo

24 de outubro de 2009 | 00h00

Há quase dois anos, Muniz fez uma mudança no primeiro trajeto e conseguiu reduzir em uma hora o tempo de viagem. Cansado dos congestionamentos que atrasavam a viagem, ele decidiu não mais pegar um ônibus até a Estação Carrão do Metrô, de onde então seguia o trajeto sobre trilhos - primeiro metrô, depois os trens da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), uma baldeação para o mesmo sistema, outra para voltar ao Metrô - e a parte final em um ônibus da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU). Até chegar a seu destino final, ele gastava 3h30.

"Faço essa viagem desde 1996. Muitas pessoas já me falaram para mudar para perto do trabalho, mas eu gosto muito de onde moro e por isso vou continuar em São Mateus", diz. Agora, Muniz não enfrenta mais o primeiro coletivo. Quando o dia ainda está escuro, ele sai de casa com sua bicicleta e pedala até a Estação Vila Olímpia da CPTM. É uma hora e meia circulando ao lado dos carros em movimentadas avenidas, como a Professor Luís Inácio de Anhaia Melo e Salim Farah Maluf. Às vezes, conta, um ou outro caminhão dá uma fechada ou buzina para assustar.

Por volta das 6 horas, ele encerra a primeira etapa e guarda seu veículo no bicicletário da estação da Linha 9 - Esmeralda. De lá, segue na CPTM até a Estação Santo Amaro, quando faz baldeação para a Linha 5-Lilás do Metrô e segue até o Capão Redondo. Ali, termina o trajeto nos trilhos e embarca no coletivo da EMTU, até seu destino final. Pouco antes das 7 horas, ele chega ao trabalho, ainda em tempo para tomar um banho e começar suas atividades diárias. "Eu comecei pelo exercício físico e hoje acredito que devo dar o exemplo para surgir uma cidade melhor. Minha mulher e meus filhos também pedalam."

Às vezes, Muniz volta a tomar o ônibus no primeiro trecho da viagem. Carro? Ele tem e raramente usa para ir ao trabalho, principalmente quando vai ter depois ensaio com sua banda, a Tropicals. "É duro levar os pratos da bateria de bicicleta", brinca. O trajeto de ida para o trabalho de carro leva 1h20. Na volta, chegou a demorar 5 horas, parado em uma dia de chuva forte. Foi aí que decidiu mudar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.