Marcas da violência se espalham pelo centro do Rio

As marcas da violência no confronto entre manifestantes e policiais estavam espalhadas pelo centro do Rio nesta quarta-feira, 15. Agências bancárias foram depredadas. Prédios tiveram as fachadas destruídas. Alvo principal, o Palácio Pedro Ernesto, sede da Câmara Municipal, teve vidros quebrados e as laterais completamente pichadas. Manifestantes tentaram incendiar janelas do palácio. Arrancados, os tapumes de alumínio colocados na véspera para proteger a fachada serviram de escudo na briga com a PM.

ANTÔNIO PITA, Agência Estado

16 Outubro 2013 | 18h33

Cinco bancos foram atacados na Cinelândia - um deles pela terceira vez. Uma lanchonete da rede McDonald''s também foi depredada, com portas e vidros quebrados. Manifestantes ainda tentaram atear fogo à loja. Os prédios da EBX (holding do empresário Eike Batista) e da Justiça Federal foram alvo de pedregulhos, que arrebentaram vidraças. O Clube Militar voltou a ser atacado por black blocs, que botaram fogo nos tapumes de proteção da portaria. Perto dali, até cocos foram arremessados contra o Consulado dos Estados Unidos. Parte da fachada de vidros blindados não resistiu. O prédio também tinha paredes chamuscadas, o que indica que explosivos o atingiram. O consulado não comentou o ataque.

Mais conteúdo sobre:
ProtestosRiorescaldo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.