'Marcha da maconha' mobiliza 700 pessoas na Avenida Paulista

Cerca de 700 pessoas, na estimativa da Polícia Militar, concentram-se no vão livre do Masp, na Avenida Paulista, na tarde deste sábado, 23, para a "Marcha da Maconha 2015", prevista para sair às 16h20 em direção ao Largo São Francisco.

JULIANA DIÓGENES, Estadão Conteúdo

23 Maio 2015 | 16h41

Os participantes pintam faixas e cartazes para pedir a legalização da cannabis. Cigarros de maconha gigantes estão a postos para o momento de saída da Marcha. Muitos fumam maconha no local. Um grupo grita "legaliza" ao som de batucada.

Os organizadores do evento informaram que "desconvidaram" a PM, que mesmo assim acompanha o ato na entrada do Parque Trianon. Segundo o tenente Markus Castro, comandante da operação, 21 policiais vão acompanhar a Marcha em 18 motos e uma viatura. Mais seis viaturas estão posicionadas próximas ao Parque Trianon. Além dos policiais, uma equipe da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) acompanha o grupo. A Marcha vai descer a Rua Augusta e a Rua da Consolação para em seguida atravessar o Viaduto do Chá até chegar ao Largo São Francisco.

Questionado sobre o que foi acertado com os participantes do ato em relação ao consumo de maconha, o tenente Markus disse que "não tem que fazer acordo porque a lei proíbe". "Não estamos no Masp fiscalizando o grupo para evitar provocações. Como está pacífico, não tem necessidade de ficar no meio. Queremos paz e amor", disse o oficial.

É a primeira vez da artista performática Julia Zumbano, de 39 anos, na Marcha da Maconha. Ela disse que levou o filho de cinco anos para participar por acreditar que o consumo da maconha deve ser encarado com naturalidade e sem hipocrisia. "Trouxe meu filho para mostrar à sociedade que existem crianças que convivem com o uso medicinal e recreativo. É normal fumar. Maconha sempre existiu, é consumida há quatro mil anos, e sempre vai existir esse que é um vínculo muito grande do ser humano com a natureza", afirmou.

Mais conteúdo sobre:
Marcha da maconhaSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.