Marcha das Vadias reuniu 1,5 mil pessoas no Rio

Enquanto milhões de peregrinos participavam de eventos da Jornada Mundial da Juventude, hoje à tarde, na praia de Copacabana, na zona sul do Rio, cerca de 1.500 pessoas promoveram no mesmo lugar a Marcha das Vadias, ato de protesto contra a grande incidência de estupros no Brasil e pelo direito da mulher de usar o próprio corpo como quiser. Outro alvo do protesto foi o governador Sérgio Cabral (PMDB), que tem sido motivo constante de manifestações.

FELIPE WERNECK E HELOISA ARUTH STURM, Agência Estado

27 de julho de 2013 | 19h17

Marcado desde 2012, o ato transcorreu, em sua maior parte, em clima de descontração. Mas também houve críticas à religiosidade e discussões entre peregrinos e manifestantes. Um casal seminu fez uma performance durante qual colocou um preservativo na cabeça da imagem de Nossa Senhora Aparecida e quebrou a imagem da santa.

Também houve discussão entre ativistas e um grupo de 20 peregrinos vindos do Oriente Médio. "As manifestantes não sabem o que estão dizendo, mas nós vamos rezar por elas", disse a peregrina Cynthia Palais, que é de Paris.

O grupo Católicas pelo Direito de Decidir, que defende a liberdade de escolha às mulheres, também esteve na marcha. "Estamos aqui para falar para a Igreja, especialmente para as mulheres católicas, que elas têm o direito de decidir", disse a teóloga Yury Orozco.

O grupo se reuniu em frente ao Posto 5 e, pelo trajeto original, seguiria rumo ao Leme, bairro vizinho. Mas, devido à ocorrência da Jornada, as organizadoras decidiram mudar o trajeto para Ipanema, outro bairro vizinho, porém mais distante do palco montado para a Jornada. "Não queremos confronto. Isso é um contraponto político", afirmou Nataraj Trinta, uma das organizadoras.

Os manifestantes seguiram até o Posto 9, de onde a maioria se dispersou. Às 18h30, um grupo de aproximadamente 200 ativistas pretendia voltar a Copacabana.

Mais conteúdo sobre:
Marcha das VadiasprotestoJMJ

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.