Marcos Valério é condenado a 4 anos de prisão por sonegação fiscal

O empresário Marcos Valério, operador do mensalão que foi condenado a mais de 40 anos de prisão por seu envolvimento no esquema, recebeu uma nova condenação nesta terça-feira, desta vez a quatro anos de prisão por sonegação fiscal, informou o Ministério Público Federal (MPF).

Reuters

22 de janeiro de 2013 | 18h03

Segundo a denúncia do Ministério Público, Valério prestou declarações falsas e omitiu informações à Receita Federal em sua declaração dos anos de 2001 e 2002, feita em conjunto com sua mulher Renilda Santiago. Os dois fizeram uma declaração retificadora em 2005, mas na avaliação do MPF, "persistiram os mesmos vícios das declarações originais".

A juíza Camila Franco e Silva Velano, da 4ª Vara Federal de Belo Horizonte, decidiu absolver a mulher de Valério, por entender que "o contribuinte declarante sempre foi" o empresário. Além da sentença de 4 anos de prisão, Valério também foi condenado ao pagamento de multa.

O MPF ainda não decidiu se recorrerá da decisão de absolver a mulher do empresário. Ele poderá recorrer da sentença em liberdade.

Valério foi apontado pela maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) como operador do mensalão, esquema de desvio de dinheiro público para compra de apoio parlamentar no primeiro mandado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Ele foi condenado a 40 anos, 2 meses e 10 dias de prisão pelos crimes de formação de quadrilha, corrupção ativa, peculato, lavagem de dinheiro e evasão de divisas no julgamento da ação penal do mensalão, concluído no ano passado.

Além de Valério, outros 24 réus foram condenados pelo STF por envolvimento no esquema. Entre eles o ex-ministro-chefe da Casa Civil José Dirceu, apontado como chefe da quadrilha responsável pelo mensalão, o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares e o ex-presidente da legenda José Genoino, que no início deste ano assumiu uma cadeira de deputado federal como suplente.

(Reportagem de Eduardo Simões)

Tudo o que sabemos sobre:
POLITICAVALERIOMAISQUATROLEGAL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.