Massacre de Eldorado faz 12 anos e MST amplia ações

O Movimento dos Sem-Terra (MST) prometem manter hoje, data em que se completam 12 anos do massacre de Eldorado dos Carajás (PA), a pressão para conquistar avanços no assentamento de 150 mil famílias acampadas pelo País e investimentos públicos na produção agrícola e em habitação para os já assentados. Ontem os sem-terra ampliaram seu protesto em 14 unidades da federação em luta pela reforma agrária. Em reunião com o Ministério das Cidades, o governo sinalizou que vai resolver, no curto prazo, a reivindicação da construção de 31 mil casas no campo para pequenos agricultores. O pedido de criação de programa de crédito ficou pendente e pode ser discutido até junho.?Para nós, a reunião foi positiva. Na próxima semana, voltaremos a nos reunir com o ministro e ainda amanhã (hoje) teremos reunião com a direção da CEF para discutir a questão das casas?, disse José Batista de Oliveira, da coordenação do MST. Segundo o movimento, o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) é insuficiente e atende só 15% das famílias de pequenos agricultores. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

AE, Agencia Estado

17 de abril de 2008 | 09h10

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.