Izabella Teixeira/AE
Izabella Teixeira/AE

Mata Atlântica tem taxa de desmate próximo de zero, afirma ministério

Monitoramento por satélite mostra ainda queda do desmatamento no Pantanal e no Pampa entre 2008 e 2009; Cerrado é recordista no abate de árvores

Marta Salomon, BRASÍLIA, e Giovana Girardi,

10 de fevereiro de 2012 | 03h06

A Mata Atlântica, o mais desmatado dos biomas brasileiros, registrou taxa de abate da vegetação nativa próxima de zero entre 2008 e 2009, segundo o mais recente monitoramento por satélite, apresentado ontem pelo Ministério do Meio Ambiente.

Seis dos Estados que compõem o bioma não registraram nenhuma área desmatada maior que 4 hectares (40 quilômetros quadrados), limite de “visão” das imagens de satélites.

Na média, a Mata Atlântica, que reúne parte do território de 15 Estados, teve 0,02% de desmatamento, ante 0,25% registrado entre 2002 e 2008. Até 2009, o bioma havia perdido 75,9% da vegetação nativa.

Em outros dois biomas que passaram a ter o desmatamento monitorado por satélites, o ministério também constatou queda no ritmo do abate: o Pantanal perdeu 0,12% de sua vegetação nativa entre 2008 e 2009, contra 2,83% entre 2002 e 2008. No total o bioma perdeu 15,31% da área.

Já o Pampa, que já perdeu mais de metade (54,12%) de sua vegetação, registrou desmatamento de 0,18% no período. No período anterior a taxa foi de 1,2%.

“É uma boa notícia. O ritmo é muito menor que o registrado até 2008, mas a pressão ainda existe e precisamos aperfeiçoar a metodologia de monitoramento para orientar a fiscalização e a política de recuperação ou supressão legal da vegetação”, disse a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira.

A Amazônia e o Cerrado têm dados de monitoramento mais recentes - ambientalistas criticam o fato de não ser assim em todos os biomas -, por serem os que mais perdem vegetação nativa no País. Para comparação, entre 2008 e 2009, o Cerrado, recordista em desmatamento, perdeu 7,6 mil quilômetros quadrados de vegetação nativa ou 0,37% de sua área total. No mesmo período, a Amazônia perdeu 7,4 mil km² de floresta, o equivalente a 0,17% de sua área.

A informação mais atual para o Cerrado é de 2010. Até aquele ano, a perda total do bioma tinha sido de 48,5% de sua área. Mas mesmo lá vem sendo registrada uma leve diminuição. Entre 2008 e 2009 foram perdidos 7,637 mil km²; no biênio seguinte, a perda foi de 6,469 mil km².

A Amazônia, que tem monitoramento real e também anual, teve entre agosto de 2010 e julho de 2011 o menor registro da história: 6,238 mil km², 11% menor que no período anterior.

Criação de zebu. Apesar das quedas, o comando da área ambiental do governo aponta preocupação com a dinâmica do abate da vegetação nativa. No Pantanal, por exemplo, o desmatamento que avançava nas bordas passou a ser registrado nas áreas mais centrais. Corumbá foi o município que mais desmatou.

“É uma situação preocupante, comandada principalmente pela conversão da vegetação nativa em pastos para a criação de gado zebu”, disse o secretário de Biodiversidade, Bráulio Dias, que deixou ontem o cargo para ocupar o posto de secretário executivo da Convenção sobre Diversidade Biológica da ONU.

Para Fabio Scarano, diretor executivo da ONG Conservação Internacional para Cerrado e Pantanal, o fato de este último não contar com um monitoramento constante o deixa vulnerável em relação aos biomas vizinhos. “Como Amazônia e parte do Cerrado estão tendo um aumento do controle, o avanço da pecuária pode ser ainda mais empurrado para o Pantanal”, diz.

Na Mata Atlântica, Dias explicou que os dados oficiais divergem dos divulgados pela entidade SOS Mata Atlântica porque o ministério considerou o limite estrito do bioma e não apenas a vegetação de florestas.

Os dados deverão reforçar o apoio do governo à reforma do Código Florestal já aprovada pelo Senado, que prevê a recomposição de parte das áreas de preservação permanente desmatadas. A votação na Câmara está prevista para o início de março.

Limite oficial. Para a SOS Mata Atlântica, apesar de os dados trazerem uma boa notícia, eles pedem algumas ponderações.

Segundo Márcia Hirota, diretora da entidade, o monitoramento não levou em conta os limites oficiais do bioma, definidos na Lei da Mata Atlântica, de 2006. Ela incluiu as chamadas matas secas de Minas Gerais, Bahia e Piauí, mas essas áreas ficaram fora do cálculo.

“São áreas protegidas por lei, mas que têm sofrido forte ameaça”, diz. Segundo a ONG, nos últimos anos, os maiores desmatamentos do bioma vêm sendo observados justamente nessas regiões. Em nota, a ONG também criticou o posicionamento da ministra Izabella sobre o Código Florestal: “Reforça o equívoco, pois, com a aprovação do atual texto, a Mata Atlântica estará irremediavelmente condenada”.

 

 

 

FABIO SCARANO, DIRETOR DA CONSERVAÇÃO INTERNACIONAL

"Falar em desmate perto de zero para a Mata Atlântica é quase um pecado, pois lá não tem nada para desmatar. Quero saber quanto está sendo restaurado."

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.