MEC abrirá investigação formal sobre material com erros

O Ministério da Educação (MEC) e a Controladoria-Geral da União (CGU) vão abrir uma investigação formal para identificar os responsáveis pelo envio do material didático que ensina que dez menos sete é igual a quatro, entre outros erros, de acordo com informações da Agência Brasil. Os exemplares foram impressos e distribuídos a alunos de escolas de séries diferentes em escolas públicas da zona rural do País. Conforme a agência, a portaria será publicada na segunda-feira (6), no Diário Oficial da União.

Agência Estado

04 Junho 2011 | 18h10

Em comunicado oficial, o MEC reconhece que "erros de diagramação, editoração e revisão" foram constatados em fevereiro, por especialistas contratados pelo órgão. Com isso, "os professores de educação no campo foram orientados, então, a utilizar somente livros didáticos em suas aulas".

Foram gastos R$ 13,4 milhões na impressão do material didático com conteúdo errado. Os livros foram distribuídos para cerca de 40 mil classes, que atendem 1,3 milhão de alunos.

No segundo semestre do ano passado, foram encontrados erros graves em 200 mil exemplares da coleção Escola Ativa. No total, foram impressos 7 milhões de livros da coleção. A nota oficial minimiza o erro ao afirmar que "o programa Escola Ativa atinge a menos de 1% dos estudantes de escolas públicas de educação básica em todo o País".

Para analisar o material, o MEC contratou uma comissão de professores universitários que "chegaram à conclusão de que uma nova versão do material de apoio do programa Escola Ativa só poderá ser reutilizada depois de uma discussão com os coordenadores do programa, no próprio MEC".

Mais conteúdo sobre:
MEClivros didáticoserros

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.