MEC quer Enem após eleições, nos dias 6 e 7 de novembro

MEC quer Enem após eleições, nos dias 6 e 7 de novembro

Data será confirmada pelo Inep; universidades paulistas querem que o exame ocorra o mais cedo possível

Eugênia Lopes, O Estadao de S.Paulo

25 de março de 2010 | 00h00

/ BRASÍLIA

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deverá ser aplicado neste ano nos dias 6 e 7 de novembro, após as eleições - o primeiro turno ocorrerá no dia 3 de outubro e o segundo, no dia 31. A data final da prova será confirmada pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), órgão ligado ao Ministério da Educação (MEC).

"É pouco recomendável fazer o Enem entre o primeiro e o segundo turno das eleições", disse ontem o ministro da Educação, Fernando Haddad, após participar de audiência pública na Comissão de Educação da Câmara.No ano passado, o governo federal foi obrigado a cancelar o exame, previsto para o início de outubro, e remarcar uma nova data, em dezembro, porque a prova vazou. O MEC foi alertado sobre o vazamento pelo Estado.

A data de realização da prova não agradará a todos. As universidades de São Paulo são favoráveis à aplicação do Enem o mais cedo possível, mas os demais Estados defendem que a prova seja feita depois das eleições.

Haddad voltou a afirmar que o MEC desistiu de fazer um Enem no primeiro semestre deste ano depois da descoberta de fraude no exame nacional da Ordem dos Advogados (OAB) do Brasil, em março.

Em seu depoimento à comissão de Educação, Haddad garantiu ainda que a sobra de vagas nas universidades federais será de cerca de 2% do total de 48 mil vagas oferecidas - ou seja, em torno de mil vagas.

Ele rebateu ainda as críticas de que São Paulo estaria "exportando" estudantes para universidades públicas de outros Estados. "São Paulo tem poucas vagas em universidades públicas em relação a sua população e, por isso, é natural que os jovens procurem oportunidades em Estados vizinhos, como Minas Gerais", disse Haddad.

Pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu), o candidato pode usar a nota do Enem para ingresso nas universidades que adotaram o exame como vestibular. Segundo dados do MEC, São Paulo foi o Estado que mais se beneficiou do sistema unificado de seleção. O Estado recebeu 169 estudantes de fora em suas universidades federais e enviou um total de 2.531 alunos para outras regiões. Minas Gerais foi o principal destino, com 730 matrículas, seguido do Rio Grande do Sul, Amazonas, Piauí e Mato Grosso.

Seleção unificada. O MEC informou ontem que realizará o Sisu no meio do ano, com algumas mudanças. A seleção será feita em apenas uma etapa, em vez das três atuais. Cada aluno poderá se inscrever em, no máximo, três opções diferentes de cursos. Também foi aprovada a criação de uma lista de espera, de onde serão chamados sucessivamente os alunos inscritos até que todas as vagas sejam preenchidas. O objetivo da lista é acabar com as vagas não preenchidas.

CRONOLOGIA

Os tropeços do processo

19 de julho de 2009

Inscrições para o Enem

Inscritos ficam abaixo da expectativa: 4,1 milhões contra a previsão de 6 milhões.

23 de setembro de 2009

Longe de casa

Candidatos são colocados em escolas a 50 km de casa.

1º de outubro de 2009

Cancelamento do exame

"Estado" denuncia vazamento e prova tem de ser adiada.

7 de outubro de 2009

Desistências

Instituições desistem de usar Enem. Abstenção é de 37,7%.

6 de dezembro de 2009

Gabarito errado

Site oficial ficou no ar por horas com respostas erradas.

29 de janeiro de 2010

Sisu estreia com falhas

Houve congestionamento nos primeiros dias.

10 de março de 2010

2º exame descartado

MEC cancela Enem do primeiro semestre.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.