MEC vai instaurar auditoria na Unip

Ministério visitará cem cursos in loco; Instituição terá que arcar com custo de apuração. de R$ 600 mil

ESTADÃO.EDU, O Estado de S.Paulo

23 Março 2012 | 03h07

O MEC decidiu instaurar auditoria na Universidade Paulista (Unip) para aprofundar as investigações de irregularidades relativas ao Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade). A Unip é acusada de manipular a nota do exame, indicando só os melhores alunos para fazer a prova. Com prazo de 60 dias, a auditoria inclui análise in loco de todos os cursos da universidade que estejam em fase de renovação de reconhecimento.

Atualmente, a Unip tem cem cursos nessa categoria - a renovação de reconhecimento é feita a cada três anos pelo MEC. As avaliações in loco incluem análise detalhada de todos os dados relativos ao cursos, como atas de formatura. A auditoria no local acarretará um custo de R$ 600 mil para Unip - que pagará R$ 6 mil por curso avaliado pelos técnicos do MEC. Dependendo das irregularidades apuradas pela auditoria, o ministério pode descredenciar cursos.

A decisão foi tomada pelo MEC após confrontar as denúncias de irregularidades na aplicação do Enade na instituição com as alegações apresentadas posteriormente pela Unip. A auditoria será realizada pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) - órgão responsável pelo Enade, assim como pelo Enem - e pela Secretaria de Regulação e Supervisão do Ensino Superior (Seres).

Instituições com cursos que tenham notas acima de 3 no Conceito Preliminar de Cursos (CPC) - um dos parâmetros da qualidade do ensino superior - são automaticamente dispensadas de avaliação in loco. O fato de o MEC ter determinado a visita a esses cursos, independentemente das notas, mostra que o ministério não tem confiança nos dados da Unip.

Ao longo dos dois meses de duração da auditoria, a Unip vai sofrer limitações na prerrogativa de criar cursos, garantida inicialmente pela autonomia universitária. Na prática, não poderá oferece novos cursos no próximo vestibular, no meio do ano.

Em nota, a Unip informou que está "tranquila" em relação à notícia. Ressaltou, no entanto, que ainda não foi comunicada pelo MEC./ CEDÊ SILVA, JULIANA DEODORO, SERGIO POMPEU e P.S.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.