Mecanismo faz engordar quem para de fumar

Cientistas identificam receptores neurológicos da nicotina que se ligam a neurônios que controlam o apetite

Alexandre Gonçalves, O Estado de S.Paulo

10 Junho 2011 | 00h00

Cientistas identificaram o mecanismo biológico responsável pelo aumento de peso quando alguém abandona o cigarro. A descoberta vai ajudar a criar medicamentos que combatem o vício do tabagismo sem engordar. Além disso, poderá inspirar novas terapias contra obesidade.

Yann Mineur, do Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, testava um novo remédio para depressão em camundongos quando percebeu que os animais perdiam apetite e peso ao receber a droga. Quis descobrir a causa neurológica do emagrecimento.

Usou engenharia genética para desligar seletivamente receptores neuronais no cérebro dos camundongos. Por eliminação, chegou ao receptor de nicotina alfa3beta4, presente em neurônios do hipotálamo que controlam o apetite. Quando a nicotina liga-se ao receptor alfa3beta4, os neurônios enviam uma mensagem para o organismo: hora de parar de comer. Também estimulam o consumo da energia armazenada no corpo.

A descoberta mereceu publicação na revista Science.

Outro receptor, chamado alfa4beta2, está relacionado à sensação de bem-estar que o cigarro causa e, portanto, ao seu potencial de provocar dependência. A pesquisa aponta para um remédio capaz de imitar o efeito da nicotina sobre o apetite - atuando sobre o alfa3beta4 -, mas sem estimular o vício - ou seja, sem se ligar ao alfa4beta2.

O pneumologista José Miguel Chatkin, da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), afirma que, ao parar de fumar, é normal engordar. "Além disso, sabe-se que os fumantes têm um peso médio menor", aponta Chatkin.

Ele publicou recentemente um trabalho na revista BMC Pulmonary Medicine em que mostra como, nas pessoas obesas ou com obesidade mórbida, o efeito emagrecedor da nicotina é praticamente anulado: quanto maior a obesidade, maiores a prevalência do tabagismo e o consumo individual de Tabaco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.