Médico britânico é suspenso após mais de mil cirurgias de mama desnecessárias

Ian Paterson teria retirado tecidos de seios de 450 mulheres saudáveis e operado outras 700 com técnica não aprovada.

BBC Brasil, BBC

08 de novembro de 2012 | 10h09

Um cirurgião britânico foi suspenso depois que uma investigação revelou que ele realizou operações de seio "desnecessárias ou inadequadas" em mais de mil mulheres.

Ian Stuart Paterson é especialista em câncer de mama do National Health System (NHS), o sistema público de saúde da Grã-Bretanha. Ele trabalhava no hospital de Solihull, na região central da Inglaterra.

Ele é suspeito de ter realizado 450 lumpectomias (retirada de tecido do seio) em mulheres saudáveis, que foram diagnosticadas erroneamente com câncer de mama.

Além disso, ele teria feito 700 mastectomias (cirurgia que retira uma quantidade maior de tecido mamário) usando uma técnica não-convencional, que não é aprovada pelas regras de saúde do NHS.

A Heart of England NHS Foundation Trust, fundação que administra o hospital onde Paterson trabalhava, está enviando cartas a todas as pacientes que foram diagnosticadas e operadas pelo médico entre 2004 e 2007.

Elas estão sendo chamadas para fazer uma nova consulta médica.

Suspensão

Paterson foi suspenso pelo General Medical Council, o conselho de medicina britânico. O Heart of England Foundation confirmou que ele não opera mais no hospital desde maio de 2011.

A polícia confirmou que o médico está sendo investigado criminalmente.

"Um inquérito criminal foi aberto e a força policial está trabalhando em conjunto com a promotoria para determinar o curso da investigação", disse Matt Markham, delegado de polícia da região de West Midlands.

A empresa de advocacia Thompsons Solicitors disse que um dos 90 processos que está movendo contra o NHS, devido ao caso, já foi resolvido por acordo, e que uma das clientes receberá compensação financeira por danos causados pelo médico. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.