Médico Roger Abdelmassih é preso em São Paulo

A Polícia Civil prendeu na tarde de hoje o médico Roger Abdelmassih, dono de uma das mais famosas clínicas de fertilidade do Brasil. A prisão preventiva foi decretada pela manhã pelo juiz Bruno Paes Stranforini, da 16.ª Vara Criminal. As razões da prisão não foram informadas pela Justiça. Abdelmassih foi denunciado em junho pelo Ministério Público de São Paulo (MP-SP) por estupro e atentado violento ao pudor contra pacientes. Ele foi acusado por pelo menos 60 mulheres de ter cometido crimes sexuais durante consultas.

GUSTAVO URIBE, Agencia Estado

17 Agosto 2009 | 20h00

O médico foi detido por volta das 15 horas, quando chegava à sua clínica, na zona sul da capital paulista. Ele foi levado para a 1ª Delegacia Seccional, no centro de São Paulo. Abdelmassih é alvo de processo criminal que desde julho corre em segredo de Justiça. A ação apura denúncias apresentadas pelo MP-SP, segundo as quais pacientes do médico que passaram por tratamento de infertilidade em sua clínica foram beijadas à força e tiveram partes íntimas do corpo tocadas. Os supostos ataques teriam ocorrido enquanto as pacientes estavam sedadas ou voltando da sedação. Há ainda a denúncia de que uma das pacientes teria sido estuprada por Abdelmassih.

Também pesam contra o médico 51 processos éticos abertos pelo Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) na última terça-feira, baseados em denúncias de pacientes. O médico deve apresentar ao conselho sua defesa e testemunhas. Ainda não há prazo de julgamento dos processos, cuja pena máxima é a cassação do diploma.

O delegado da 1.ª Delegacia Seccional, Aldo Galeano, informou à Agência Estado que o médico deve passar a noite no 40º Distrito Policial, na zona norte, que recebe detidos que tenham diploma universitário. O advogado de Abdelmassih, José Luís de Oliveira Lima, informou que entrará na tarde de amanhã com pedido de habeas corpus para pedir a liberdade de seu cliente. Segundo ele, o pedido deve ser impetrado no Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.