Médicos aproveitam Dilma em Fortaleza para protestar

A presidente Dilma Rousseff vai enfrentar nesta quinta-feira,18, um protesto dos médicos, que são contra o programa "Mais Médicos" quando visitar Fortaleza. A manifestação organizada pelo Sindicato dos Médicos vai acontecer, no final da manhã, quando Dilma vai vistoriar estações do Metrô de Fortaleza, no Centro.

LAURIBERTO BRAGA, ESPECIAL PARA O ESTADO, Agência Estado

17 de julho de 2013 | 13h45

"Queremos entregar a presidente um documento elencando as reivindicações dos médicos brasileiros. Uma é a criação da carreira de médico no serviço público. Queremos mais investimentos para a Saúde e somos contra a prorrogação de seis para oito anos nos cursos de Medicina. Os médicos brasileiros estão querendo, sim, trabalhar. Queremos concurso público, uma carreira de estado e condições dignas para atender bem os nossos pacientes, que são os mais prejudicados. Exigimos das autoridades brasileiras respeito à nossa profissão e ao povo brasileiro", diz o presidente do Sindicato dos Médicos do Ceará, José Maria Pontes.

Pontes informa que a manifestação terá concentração na Praça da Bandeira, às 8h30 com caminhada até a Praça do Ferreira e ida as estações a serem visitadas pela presidente. Dilma além da visita ao Metrofor participará em Fortaleza de formatura do Pro-Jovem e assinará ordem de serviço para obras do Cinturão da Águas, no Centro de Eventos do Ceará.

No caminho de Dilma em Fortaleza ela vai encontrar 30 outdoors cobrando a instalação já da Refinaria Premium no Ceará. É uma campanha da Assembleia Legislativa que exige a construção da Refinaria. Umas das vozes pela Refinaria é o ex-ministro Ciro Gomes, (PSB-CE). Ele diz que está passando da hora da instalação da Refinaria.

"O Lula prometeu e a Dilma prometeu também. E o tempo da Dilma entregar essa obra esta se exaurindo. E é absolutamente justo porque faz parte do acordo que nós cearenses fizemos de dar a ela 86% dos votos é que ela resgaste os compromissos". Para Ciro, "a Refinaria é um imperativo desse acordo que foi feito, desse pacto que foi feito. De maneira que nós confiamos nela, mas queremos uma resposta prática. Sem retórica".

#ET

Mais conteúdo sobre:
protestomédicosFortaleza

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.