Médicos chineses separam com sucesso irmãs siamesas

Médicos em Xangai separaram com sucesso duas gêmeas siamesas de 10 meses de idade, apesar de sua condição continuar precária devido a problemas de coração e outros, disse uma oficial do hospital nesta sexta-feira. As irmãs Hu Jingxuan e Hu Jingni nasceram em Xangai em 24 de agosto e compartilhavam o fígado, o pâncreas, a vesícula biliar e o aparelho digestivo, antes da cirurgia, que durou 13 horas, disse uma oficial no escritório administrativo do Hospital Infantil da Universidade Fudan, onde aconteceu a operação."De forma geral, essa foi uma cirurgia de sucesso, muito melhor do que esperávamos", disse a oficial. Agora as duas crianças estão em condição comparativamente estável. Mas elas ainda enfrentam uma série de problemas sérios, como possível falha de órgãos e má nutrição". "Agora estão sob observação. Ambas ainda precisam de uma série de operações", disse ela.Os administradores do hospital classificaram a cirurgia como um milagre."A deformidade das siamesas era muito rara, e esta foi a primeira intervenção cirúrgica de separação deste tipo no mundo. Seria um milagre se uma das duas sobrevivesse, e um desafio aos limites da medicina se as duas sobrevivessem. Conseguimos isso", disse Gui Yonghao, presidente do hospital em que a operação foi realizada, ao jornal Xangai Daily.As irmãs sofrem de problemas cardíacos congênitos. A mais forte das duas, Jingni, foi transferida para a unidade de terapia intensiva depois de ter sido separada de sua irmã na noite de quinta, segundo o jornal. Jingxuan continuou na sala de operação durante a noite devido à sua frágil condição.Os médicos disseram que foram forçados a realizar a cirurgia pois a condição das gêmeas estava se deteriorando e elas haviam parado de ganhar peso.As gêmeas nasceram pesando um total de 4,4 quilos. Antes da cirurgia, elas pesavam 7 quilos.Seus pais, um casal de camponeses da cidade de Taizhou (província de Zhejiang, leste), conseguiram financiar a cirurgia graças às doações da Associação Comercial de Taizhou, que doou 200 mil iuanes (US$ 25.600)."Estou muito feliz porque a operação foi um sucesso. Sonhava em tê-las em braços separados há muito tempo", afirmou a mãe das meninas, Chen Yanfen.

Agencia Estado,

07 de julho de 2006 | 11h27

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.