Médicos dizem que câncer de Lula tem chance 'muito boa' de cura

SÃO PAULO (reuters) - A equipe médica que acompanha o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta segunda-feira que a expectativa de cura do tumor diagnosticado na laringe do ex=presidente é "muito boa", embora a agressividade do tumor seja intermediária.

REUTERS

31 de outubro de 2011 | 12h27

Os médicos afirmaram ainda que há poucas chances de Lula ficar com sequelas em sua voz por conta do tumor. O ex-presidente iniciou nesta segunda-feira tratamento quimioterápico para combater o câncer.

"O quadro geral está ótimo. Não tem qualquer outro problema que pudesse piorar o prognóstico ou aumentar os efeitos colaterais. Achamos que as chances de cura são muito boas", disse Roberto Kalil Filho, médico pessoal de Lula, que faz parte da equipe que acompanha o presidente no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo.

De acordo com os médicos, Lula se submeterá a sessões de quimioterapia a cada 21 dias, totalizando três sessões. Os médicos pretendem avaliar o ex-presidente entre a segunda e terceira aplicações.

Após as sessões de quimioterapia, o presidente terá ainda de passar por radioterapia e a expectativa é que o tratamento seja finalizado no final de fevereiro.

Lula teve o câncer diagnosticado no sábado. No dia seguinte o Instituto Cidadania, comandado pelo ex-presidente, informou que ele cancelou todas as viagens que faria até janeiro de 2012 para se concentrar no tratamento da doença.

O ex-presidente deverá desempenhar papel importante nas eleições municipais do ano que vem, por sua influência na definição dos candidatos, em especial em São Paulo. Ele até já demonstrou interesse em viajar pelo país no ano que vem fazendo campanha para aliados.

O petista procurou auxílio médico na última sexta-feira após se queixar de dores na garganta desde segunda-feira. Ele foi incentivado a procurar ajuda por Kalil Filho, que participou da comemoração do aniversário do ex-presidente, na última quinta-feira.

Lula, que governou o Brasil de 2003 a 2010, completou 66 anos na última quinta-feira.

(Reportagem de José de Castro; Texto de Eduardo Simões; Edição de Maria Teresa de Souza)

Mais conteúdo sobre:
POLITICALULAMEDICOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.