Médicos hostilizam colegas estrangeiros em Fortaleza

Cerca de 50 pessoas fizeram um corredor humano e chamaram os integrantes do Mais Médicos de escravos

LAURIBERTO BRAGA, Agência Estado

26 de agosto de 2013 | 23h12

Selecionados pelo programa Mais Médicos, 96 profissionais com formação no exterior foram hostilizados na noite desta segunda-feira, 26, em Fortaleza, por um grupo de médicos cearenses. O incidente ocorreu quando os estrangeiros saíam da aula inaugural do treinamento a que se submetem na capital. Cerca de 50 médicos brasileiros fizeram um corredor humano e hostilizaram os estrangeiros - entre eles 70 cubanos - gritando palavras de ordem como "Revalida".

A manifestação, puxada pelo Sindicato dos Médicos do Ceará, cobra do governo federal que os médicos vindos de fora sejam submetidos ao exame de revalidação do diploma. "Não aceitamos que eles apenas passem por avaliação de português e Sistema Único de Saúde", reclamou o presidente do Sindicato, José Maria Pontes.

No protesto os médicos estrangeiros foram xingados de escravos pelos colegas cearenses. Houve princípio de tumulto, mas os estrangeiros não revidaram. Apenas passaram constrangidos pelo corredor, na saída da Escola de Saúde Pública do Ceará, com destino ao 23º Batalhão de Caçadores do Exército, onde estão hospedados.

Os médicos estrangeiros ainda ficaram 40 minutos após a aula inaugural estudando uma alternativa para evitar o corredor armado pelos cearenses. Mas não havia outra saída e todos foram submetidos aos gritos dos manifestantes. A polícia acompanhou o protesto de perto, mas não interveio.

Tudo o que sabemos sobre:
Mais MédicosprotestoCeará

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.