Médicos tentam separar gêmeas que partilham rim

Médicos iniciaram uma cirurgia para separar duas gêmeas unidas de quatro anos, na que é descrita como a primeira tentativa de separar gêmeos que compartilham um mesmo rim. Kendra e Maliyah Herrin estão fundidas pelo meio do torso, e além do rim, compartilham o fígado, pélvis, o par de pernas e parte do intestino grosso. A cirurgia teve início às 10h15 desta manhã.Espera-se que a cirurgia, no Primary Children´s Hospital, dure de 12 a 14 horas, de acordo com a cirurgiã pediatra RebeckaMeyers. Se tudo funcionar como esperado, cada menina ficará com uma perna e Kendra, com o rim. Maliyah ficará em diálise por até seis meses, até que se torne forte o bastante para resistir a um transplante. A mãe, Erin Herrin, será a doadora do rim.Os cirurgiões terão ainda que cortar ao meio o fígado das meninas, separar os intestinos e reconstruir as pélvis. Gêmeos unidos geralmente têm vários órgãos redundantes ou subdesenvolvidos, que serão reparados ou removidos, de acordo com Meyers.Gêmeos unidos ocorrem em um de cada 50.000 a 100.000 nascimentos. Apenas cerca de 20% sobrevivem a ponto de se tornar candidatos para uma cirurgia de separação viável. A maioria das separações se dá quando os gêmeos têm entre 6 e 12 meses.Mas no caso das meninas os médicos recomendaram esperar mais, pelo fato de elas compartilharem o rim. As meninas estão se preparando para cirurgia desde 23 de junho, quando os médicos implantaram 17 balões no torso. Preenchidos com solução salina, os balões vêm expandindo os músculos e a pele que os cirurgiões usarão para fechar as meninas após a operação.Por conta do risco oferecido pela operação a Maliyah, que terá de se submeter a diálise e transplante, especialistas em ética médica questionaram a operação. Mas os pais, Jake e Erin Herrin, decidiram prosseguir. Eles dizem que as meninas sonham viver como adultas separadas.

Agencia Estado,

07 de agosto de 2006 | 15h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.