Meirelles reitera alerta contra euforia nos mercados

Presidente do BC afirma que é função do banco ''acautelar'' investidores

Adriana Fernandes e Fabio Graner, O Estadao de S.Paulo

06 Agosto 2009 | 00h00

Preocupado com a excessiva valorização dos ativos no Brasil, o presidente do Banco Central (BC), Henrique Meirelles, afirmou ontem que a economia brasileira mostra uma recuperação sólida, mas advertiu que a melhora não deve ser pretexto para uma euforia exagerada dos mercados.De forma enfática, Meirelles deu o tom do aviso em depoimento no Senado Federal: "O importante é pé no chão", recomendou, ressaltando que é função do BC "acautelar" o mercado para que não haja decepção e prejuízos mais tarde para os investidores.  Meirelles também rebateu as pressões para que o BC reduza os juros mais rapidamente para garantir maior crescimento econômico. "O papel da política monetária não é inflar a economia, mas assegurar a inflação na meta", alertou. Usada como alternativa de fomento, disse, a política monetária só produz inflação.Durante o depoimento, Meirelles disse que o quadro econômico ainda inspira cuidados, mas a trajetória de crescimento do País para 2010 é sustentável. O Brasil já voltou a crescer e a indústria tem margem para expansão. Os bancos pequenos e médios, afirmou Meirelles, já mostram recuperação e crescimento do crédito na margem. Segundo ele, a melhora nesse grupo de instituições mais atingidas pela crise é reflexo das ações adotadas pelo BC para estabilizar o mercado e garantir a liquidez para esses bancos.O presidente do BC disse ainda que o nível de confiança dos consumidores voltou ao patamar pré-crise e os estoques da indústria diminuindo, o que indica recuperação da produção desse setor. Ressaltou ainda que os investimentos estrangeiros diretos (IED) na economia tem se mantido. Ao defender a atuação do BC na definição da taxa de juros, Meirelles disse que "algumas pessoas" às vezes exageram na importância que dão ao papel da política monetária para o crescimento. Segundo ele, o crescimento ocorre também por uma série de outros fatores, como estrutura tributária, investimento em infraestrutura, burocracia, custo da atividade produtiva e investimento em educação. A despeito de ter mandado uma série de recados sobre os temas da política econômica, Meirelles em nenhum momento mencionou a questão fiscal.DEBATEO presidente do BC destacou ainda que, pela primeira vez, a economia brasileira atingiu um patamar de desemprego abaixo do da Europa. No Brasil, o desemprego, que chegou a 9% em março de 2009, caiu para 8,1% em junho.Na Europa, onde também estava em 9% em março, subiu para 9,4%. O nível atual de desemprego no Brasil, embora mais alto do que o de 2008, está abaixo do registrado em 2007, observou Meirelles. Na audiência, Meirelles teve um debate com o senador Eduardo Suplicy (PT-SP) sobre investimentos na economia brasileira. O senador avaliou que uma taxa de juros menor pode atrair mais investimentos para a economia. Em resposta, o presidente do BC disse que a previsibilidade e a estabilidade da economia são fundamentais para haver investimentos. "Quanto maior a previsibilidade, menor a taxa de retorno demandada e maior o volume de investimentos", afirmou Meirelles.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.