Membro do Taleban diz que propina o tirou da prisão

Mulá Sorkh Naqaibullah afirma ter escapado da prisão três vezes após pagar suborno.

BBC Brasil, BBC

08 de janeiro de 2008 | 12h40

Um comandante do Taleban responsável por liderar ataques contra tropas britânicas na província de Helmand afirma ter escapado da prisão na semana passada depois de pagar propina de US$ 15 mil (cerca de R$ 26 mil) às autoridades afegãs. Em entrevista à BBC, o mulá Sorkh Naqaibullah, conhecido como Mulá Vermelho, afirmou que esta foi a terceira vez que conquistou a liberdade ao subornar autoridades do Diretório Nacional de Segurança afegão. O mulá Sorkh Naqaibullah opera na região de Gareshk e nos distritos próximos, na província de Helmand. Desta vez, o mulá disse que ficou preso por mais de cinco meses, mas já está de volta à província de Helmand, onde lidera um grupo de insurgentes. Lei "Fui preso no dia 24 de julho e então enviado para o Diretório Nacional", afirmou. "A lei diz que eles podem manter suspeitos presos no diretório por apenas dois meses, e depois eles têm que ser mandados para o tribunal." "Fiquei sob custódia por cinco meses. Na sexta-feira, 4 de janeiro, um visitante veio me ver, encontrou o funcionário no portão e deu a ele US$ 15 mil. Ele então veio e me soltou", conta o comandante do Taleban. O mulá diz que, em 2004, subornou funcionários da famosa prisão Pul-e-Charki, em Cabul, 16 meses depois de ter sido preso em Helmand. E, em 2005, ele teria voltado a subornar a polícia para ser libertado. O porta-voz do Diretório Nacional de Segurança Afegão se recusou a comentar a afirmação e disse apenas que não pode confirmar se as informações são falsas ou verdadeiras. Mas uma fonte dentro do diretório confirmou que o mulá Naqaibullah havia sido solto e disse que as autoridades estão investigando o caso para encontrar os responsáveis. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.