Menina de 9 anos violentada pelo marido tenta separação no Iêmen

Casamento da menina com um estranho foi negociado pelo pai por cerca de US$ 150.

Jenny Cuffe, BBC

07 Novembro 2008 | 14h12

Uma menina de nove anos de idade está tentando anular seu casamento com um homem mais velho depois de ser obrigada pelo seu pai a se casar. Além da criança, outras duas jovens também entraram com pedidos de divórcio depois de casos semelhantes.Arwa, de nove anos e moradora da cidade de Jibla, foi à Justiça do Iêmen para tentar anular o casamento depois de ter sido molestada sexualmente pelo marido, que pagou para se casar com a menina.O pai de Arwa, Abdul Mohammed Ali foi abordado por um estranho no mercado da cidade, aparentando ter 40 anos, que perguntou se ele conhecia alguma jovem com a qual ele poderia se casar.Ali levou o estranho para casa e apresentou suas duas filhas, Arwa, e uma adolescente de 15 anos. O pai das meninas afirmou que o homem escolheu a mais jovem e prometeu que iria esperar até que Arwa chegasse à puberdade para o casamento ser consumado."Ele me deu 30 mil riais (US$ 150) e prometeu outros 400 mil riais (US$ 2 mil). Eu precisava muito do dinheiro e pensei que seria uma solução para a família", disse Ali.Mudança de planosMas o pretendente mudou de idéia e foi viver na casa de Arwa e sua família. Durante sete meses o marido da menina dividiu o mesmo pequeno cômodo onde a família fazia as refeições e dormia.Quando Arwa lutou contra as tentativas do marido de manter relações com ela, ela foi espancada. O casamento apenas acabou quando o pai dela brigou com o marido e deu a permissão para que Arwa procurasse ajuda.A menina pediu dinheiro emprestado para um vizinho para a viagem até o tribunal de Justiça mais próxima. Um juiz então garantiu a liberdade de Arwa.Um exame médico comprovou que Arwa foi sexualmente molestada, mas ainda é tecnicamente virgem.A coragem de Arwa, para tentar o divórcio, foi inspirada pelo exemplo de Nujood, outra jovem iemenita, da capital iemenita Sanaa, que se transformou em celebridade no país.Uma terceira jovem, Reem, ainda está esperando a decisão da Justiça. Ela foi casada aos 12 anos com um homem de 30. Quando o marido insistia em manter relações sexuais, ela tentava resistir e era estrangulada, mordida e arrastada pelo cabelo.Ela foi aprisionada por 11 dias na casa do marido e tentou se matar com uma faca de cozinha. A mãe de Reem resgatou a menina.Idade para casarA lei do Iêmen determina que a idade mínima para o casamento é de 15 anos, mas esta lei é desrespeitada principalmente nas áreas rurais e mais pobres do país.Parlamentares iniciaram um debate para aumentar a idade mínima para 18 anos, mas enfrentam a oposição dos conservadores.Sheikh Hamoud Hashim al-Tarihi, secretário-geral do Comitê de Costumes e Virtudes e membro do Partido Islah, cita o exemplo do profeta Maomé, que se casou com Aisha, de seis anos, mas esperou que ela crescesse."Por isso ter acontecido com o profeta, não podemos dizer às pessoas que é proibido casar com pouca idade", disse. E, segundo ele, uma proibição do casamento de meninas poderia prejudicar a sociedade, proliferando os maus hábitos.A ministra do Bem Estar Social, Amat al-Razzak Hammed, reconhece que o governo precisa se comprometer com a questão e, pessoalmente, acredita que a idade mínima para casamento deveria ser de 16 anos.A ministra destaca a importância da criação de uma proposta de lei que permita punição para pais que casam as filhas mais cedo e também para autoridades que permitam o casamento. Segundo Hammed o governo está consultando clérigos muçulmanos para que as leis sejam elaboradas de acordo com a Sharia, a lei islâmica.As eleições parlamentares do Iêmen ocorrem em 2009 e o governo do presidente Ali Abdullah Saleh pode não querer afastar as crescentes forças do fundamentalismo islâmico do país.Ativistas defensores dos direitos das mulheres se preparam para uma longa batalha e temem que, com a crise econômica mundial, mais famílias se sentirão pressionadas a sacrificarem suas filhas mais jovens.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.