Menina pula de carro segundos antes de queda de penhasco

Paige Dean ouvia música quando soltou o freio de mão acidentalmente; carro caiu 76 metros.

BBC Brasil, BBC

17 Agosto 2009 | 06h00

Uma menina de 11 anos de idade pulou de um carro em movimento segundos antes de ele cair de um penhasco e se chocar com rochas no mar no País de Gales, no Reino Unido.

Paige Dean estava ouvindo música no carro dos avós quando se abaixou para pegar o telefone ao lado do banco e soltou o freio de mão acidentalmente. Ela disse que tem sorte de estar viva.

A menina, que escapou de uma queda de 76 metros, disse que "nunca sentiu tanto medo" em sua vida.

Paige quase não sofreu ferimentos, mas foi tratada por choque. A menina estava de férias com os avós em um camping e o carro passou por cima de duas barracas vazias antes de cair do penhasco.

Paige disse que ainda tentou puxar o freio de mão depois que o carro começou a andar, mas não conseguiu.

O veículo foi ganhando velocidade e apenas meio metro antes da queda, ela conseguiu abrir a porta do carro e saltar.

"Eu estava indo em direção ao penhasco e fiquei petrificada", disse ela.

"Eu pensei 'tenho que sair' e pulei, e então vi o carro caindo do penhasco."

"Eu definitivamente teria morrido. Nunca senti tanto medo", disse a menina.

Sua avó, Marie Dean, que cuida de Paige e de seu irmão Cameron, de 7 anos, viu o incidente.

"Não conseguia acreditar no que estava acontecendo. Corri atrás do carro e a vi saltar. Mas meu marido, Billy, não se deu conta e gritou 'ela se foi'", disse ela.

"Meu corpo todo ficou dormente e eu corri para Paige e a abracei enquanto ela chorava."

"Deus estava olhando para a gente", disse ela.

Segundo o paramédico Dave Massey, o primeiro a chegar à cena, "é um milagre que ela tenha sobrevivido e que ela tenha tido a presença de espírito de pular no último segundo".

"Não há dúvidas de que ela nunca teria sobrevivido à queda", disse ele.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.