Menino com agulhas recupera-se bem

Equipe médica considerava realizar nova cirurgia na noite de ontem

Eliana Lima, O Estadao de S.Paulo

21 Dezembro 2009 | 00h00

Recupera-se bem o menino M.S.A., de 2 anos e 7 meses, submetido a uma cirurgia na sexta-feira para retirada de quatro agulhas localizadas no coração e no pulmão. O menino teve cerca de 30 objetos do tipo introduzidos em seu corpo pelo ex-padrasto Roberto Carlos Magalhães. Uma boa parte delas encontra-se na região abdominal.

Conforme informações do Hospital Ana Neri, em Salvador, onde a criança está internada na UTI pediátrica, a recuperação é tão boa que, ontem à noite, a equipe médica multidisciplinar que o atende ia se reunir para avaliar a possibilidade de submetê-lo a um novo procedimento cirúrgico ainda na noite de ontem ou hoje, desta vez para retirada de objetos localizados no abdome.

Segundo o médico Francisco Reis, existe uma agulha na bexiga e em algumas alças intestinais do aparelho digestivo que precisam ser removidas. O menino passará por uma terceira intervenção, na coluna, com data ainda não definida. A equipe reafirma que algumas agulhas em locais menos perigosos ficarão no corpo do menino.

SUCESSO

A primeira cirurgia foi considerada um sucesso. O procedimento confirmou que os objetos retirados estavam provocando infecções no corpo do menino, tendo em vista que começavam a oxidar. A partir de então, os processos infecciosos cederam e ele encontra-se com um quadro estável, sem febre e sem a necessidade de tomar medicação. De acordo ainda com o hospital, a criança respira sem a ajuda de aparelhos e alimenta-se normalmente. A preocupação é apenas os objetos que podem impor riscos à vida dele.

Os três suspeitos de enfiar as agulhas no corpo da criança - o ex-padrasto, sua amante, Angelina Capistana Ribeiro dos Santos e uma amiga dela, Maria dos Anjos Nascimento, seguem detidos - ele, em local não revelado pela polícia, e elas, em Ibotirama, cidade onde vive a família do garoto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.