Menino de nove anos ganha vaga em universidade

Considerado um gênio, March Tian irá estudar matemática em curso de cinco anos.

BBC Brasil, BBC

24 de agosto de 2007 | 15h49

Um menino de nove anos conseguiu uma vaga numa universidade de Hong Kong após receber duas notas máximas no exame de admissão.March Tian Boedihardjo inicia no mês que vem um curso de cinco anos formulado especialmente para ele. Ao final do curso, o garoto, considerado um gênio, receberá os títulos de bacharel em ciências matemáticas e de mestre em matemática.O presidente da Universidade Batista de Hong Kong, Franklin Luk, disse que a decisão de admitir o garoto foi baseada nos resultados excelentes obtidos por ele e no "compromisso de educar crianças talentosas".No exame da universidade, March Tian Boedihardjo tirou nota máxima em matemática e matemática avançada.O menino disse em uma entrevista que, em seu tempo livre, gosta de ler livros, mas que, nos fins de semana, gosta de brincar com os amigos."Nós podemos brincar juntos, mas academicamente falando, não consigo me comunicar com eles", contou.Entre os jogos preferidos da turma estão xadrez e banco imobiliário.Ao ser perguntado por que não iria estudar na Grã-Bretanha, já que seu irmão mais velho cursa uma faculdade na Universidade de Oxford, March respondeu em inglês que seu pai "não tem dinheiro suficiente".O pai da criança disse que a Universidade Batista de Hong Kong lhe havia transmitido a confiança necessária para lidar com as exigências de um universitário de nove anos."Eu aconselharia os pais de Hong Kong a não se preocuparem em saber o nível de QI de seus filhos. Apenas façam o melhor para educá-los e dêem espaço para que se desenvolvam", disse Tony Boedihardjo.Tong Chong-sze, professor de matemática na universidade, disse que já conseguiu vários tutores para acompanhar o menino durante o curso.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
meninogêniomatemáticahong kong

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.