Menino que teve braço mutilado por tigre ganha prótese

O menino Vrajamany Rocha, de 11 anos, que teve o braço direito arrancado por um tigre no zoológico de Cascavel (PR), ganha esperança de voltar a ter uma vida próxima do normal. O empresário Nelson Nolé, dono de uma empresa de próteses ortopédicas em Sorocaba, ofereceu ao garoto uma prótese articulada. O menino esteve na cidade, acompanhado pela mãe, para fornecer as medidas para o equipamento.

JOSÉ MARIA TOMAZELA, Estadão Conteúdo

09 Setembro 2014 | 13h56

Segundo Nolé, a prótese será feita em fibra de carbono, com luvas de silicone. O cotovelo será articulado para ajudar no equilíbrio do corpo. "Como o braço sofreu amputação total, não será possível instalar a prótese biônica, ativada pelo comando cerebral, mas vamos compensar isso caprichando na parte estética." Segundo ele, o braço mecânico é necessário para fazer o balanceamento do corpo e evitar danos na coluna. A peça será trocada todo ano até que o garoto complete 18 anos. Todo atendimento será gratuito.

O empresário também doou o braço biônico para o ciclista David Santos de Souza, de 21 anos, que teve o membro direito arrancado ao ser atropelado por um carro quando pedalava na Avenida Paulista, na capital. "No caso do David, foi possível a prótese biônica, pois a amputação foi menos drástica." O menino do tigre deve voltar a Sorocaba em um mês para testar o braço mecânico. Segundo sua mãe, Monica Fernandes dos Santos, de 37 anos, ele ainda sente as chamadas dores fantasmas no local, um efeito psicológico decorrente da amputação.

Acidente

No dia 30 de julho, Vrajamany visitava com o pai o zoológico de Cascavel, quando invadiu a área de segurança e se aproximou da jaula do tigre. O menino teria se dependurado na grade e foi atacado pelo felino. O braço teve de ser amputado rente ao ombro.

Mais conteúdo sobre:
acidentetigreParanáprótese

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.