Mercadante defende tema 'imprevisto' da redação do Enem

O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, defendeu nesta segunda-feira o tema escolhido para a redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) sobre os movimentos de imigração no Brasil no século XXI. Conforme informou nesta segunda-feira o jornal O Estado de S.Paulo, o assunto foi considerado inesperado e difícil por professores consultados pela reportagem.

RAFAEL MORAES MOURA, Agência Estado

05 de novembro de 2012 | 14h33

"É um tema bastante contemporâneo, desafiador e não previsto. Porque as pessoas não podem só trabalhar com o previsível, é a formação abrangente que permite responder com criatividade e consistência, e a prova trazia alguns exemplos que ajudavam na reflexão", disse Mercadante a jornalistas nesta segunda-feira, após participar de cerimônia no Palácio do Planalto de entrega da Ordem do Mérito Cultural 2012.

"Temos uma comissão altamente competente que considerou, entre tantas sugestões, esse tema como o mais adequado. O que ele pressupõe? A capacidade de articular informações e refletir sobre o momento que o Brasil está vivendo, o Brasil é um país que teve uma diáspora durante um período, com a estabilidade, democracia, o desenvolvimento, atrai hoje povos de várias partes do mundo", afirmou Mercadante.

Sobre os boatos nas redes sociais de que o exame havia sido cancelado, o ministro defendeu "ajustes na legislação" para garantir que não haja "tentativa de desestabilizar um processo que para muitos brasileiros é decisivo". "As pessoas têm de ter responsabilidade com o esforço que o Estado brasileiro faz. Essas coisas devem ser tratadas com seriedade."

Questionado se considerava ter sido aprovado no Enem, Mercadante respondeu: "Não, meu exame continua, só termina quando todos os alunos estiverem na universidade, tem muito chão pela frente, temos de ter muita humildade, pé no chão e trabalho. As notas só sairão dia 28 de dezembro, é depois do Natal que a gente descansa."

Tudo o que sabemos sobre:
Enem2012ministroredação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.