Mesas de mulheres no trabalho têm mais germes, diz estudo

As mesas de trabalho das mulheres tendem a abrigar mais germes do que as de seus colegas do sexo masculino, segundo sugere uma pesquisa da Universidade do Arizona. A mesma pesquisa observou, porém, que o lugar mais fértil para a proliferação de bactérias são as carteiras dos homens. Os pesquisadores descobriram ainda que, em média, uma mesa de trabalho abriga 400 vezes mais bactérias do que um assento de vaso sanitário, mas eles dizem que o tipo de bactéria encontrado nas mesas é menos danoso à saúde.Eles dizem que o hábito das mulheres, de manter alimentos em suas gavetas, poderia explicar por que suas mesas têm mais germes. Além disso, loções e material de maquiagem também ajudariam a atrair bactérias.Surpresa O resultado surpreendeu os responsáveis pela pesquisa, encomendada por uma marca de desinfetante americana. ?Eu tinha certeza de que os homens teriam mais germes?, disse o pesquisador-chefe, Charles Gerba. Segundo ele, 75% das mulheres pesquisadas mantinham alimentos na mesa de trabalho. ?Eu fiquei realmente surpreso de ver quanta comida havia na mesa de uma mulher?, disse.Ally Bloomfield, presidente do Fórum Científico Internacional sobre Higiene Caseira, disse que as pessoas não deveriam se preocupar em excesso com os resultados da pesquisa, já que a maioria das bactérias não provoca doenças.?Não é o caso de se preocupar se as bactérias estão ou não presentes, ou quantas são, mas que tipo de bactérias elas são?, diz ela. ?Mas se você deixar em sua mesa comida que normalmente deixaria na geladeira em casa, então está pedindo para ter problemas.?A pesquisa tomou amostras de cem escritórios na própria Universidade do Arizona e também nas cidades de Nova York, Los Angeles, São Francisco, Oregon e Washington.Em cada escritório, eles verificaram vários locais: telefone, mesa, mouse do computador, teclado e canetas. Eles também tomaram amostras de objetos pessoais dos funcionários.

Agencia Estado,

16 de fevereiro de 2007 | 15h51

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.