Meta é dobrar número de alunos em 4 anos

A Universidade Federal do ABC (UFABC) pretende mais do que dobrar o número de alunos em até quatro anos. A ideia é chegar a cerca de 20 mil alunos, entre graduação, mestrado e doutorado - objetivo só pode ser alcançado caso os câmpus fiquem prontos sem mais atrasos.

Paulo Saldaña, de O Estado de S. Paulo,

29 de janeiro de 2012 | 03h06

Mas se depender de procura, a UFABC pode atingir rápido seus objetivos. A universidade foi umas das que mais registraram inscrições no Sisu neste ano. O curso de Ciência e Tecnologia, por exemplo, foi o segundo mais procurado do País, com 19 mil interessados em cursá-lo.

A universidade terá neste ano mais de 7,8 mil estudantes. São 5.513 alunos de graduação matriculados, além dos 1.960 que devem ingressar. Entre mestrandos e doutorandos, são mais 543 estudantes - 377 são bolsistas.

"Queremos chegar a 2 mil alunos de pós-graduação", afirma o vice-reitor, Gustavo Dalpian. A reitoria pretende criar, em breve, mais 5 novos programas de pós-graduação e chegar ao total de 20 - dos 15 existentes, 6 são de doutorado. "Antes da UFABC, só havia um programa de doutorado na região. Já tivemos um avanço em cinco anos espantoso, nunca visto no País."

Planos. Dois novos programas já estão sendo conversados nos corredores da UFABC, ambos na área de Ciência e Tecnologia: um de Ciência Ambiental e outro intitulado como Evolução e Diversidade. Ainda não há, entretanto, data para oferecer as vagas.

A criação de novos cursos vai ser discutida ao longo deste ano e fazer parte do Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) da UFABC. A ideia da reitoria é reunir lideranças regionais, empresários e pesquisadores renomados para debater novas opções de cursos e pesquisas.

A graduação terá atenção especial. Segundo o vice-reitor, dois títulos têm sido extremamente debatidos entre os docentes: Artes e Tecnologia e um segundo relacionado a Petróleo. "Mas são ainda conversas embrionárias, discussões dos professores. A discussão da reitoria ainda é mais ampla."

De acordo com o vice-reitor, é possível pensar em novos cursos e programas porque a proposta da UFABC se consolidou - contrariando o estudo da USP. "Preenchemos 78% das vagas já na primeira chamada, superior à média do País, que não chegou a 50%. Comemoramos muito. E nossas pós-graduações foram muito bem avaliadas." Por enquanto, ainda não há expectativa de uma nova expansão física para a UFABC.

Tudo o que sabemos sobre:
UFABCEnsino superior

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.