Metalúrgicos da Embraer entram em greve por tempo indeterminado, diz sindicato

Metalúrgicos da Embraer entram em greve por tempo indeterminado, diz sindicato

Funcionários reivindicam aumento na oferta de reajuste salarial feita pela empresa de 7,4% para 10%; segundo o sindicato, proposta da Embraer representa aumento real de apenas 1%

Priscila Jordão, Reuters

05 Novembro 2014 | 19h02

Os metalúrgicos da fabricante de aeronaves Embraer entraram em greve nesta quarta-feira por tempo indeterminado, reivindicando aumento na oferta de reajuste salarial feita pela empresa, informou o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região.

A empresa ofereceu reajuste de 7,4%  nas últimas negociações ante reivindicação dos trabalhadores de aumento de 10%. Segundo o Sindicato, a proposta da Embraer representa aumento real de salário de 1% e está abaixo do obtido por metalúrgicos de outras fábricas da região.

Os metalúrgicos também reivindicam congelamento do valor do desconto do convênio médico e estabilidade no emprego.

Em 21 de outubro, os metalúrgicos da Embraer realizaram paralisação de 24 horas para pressionar a empresa a aumentar a proposta de reajuste salarial. A oferta na ocasião era de reajuste de 6,6%. Apesar do aumento da proposta desde então, o avanço não foi considerado suficiente pelos trabalhadores, informou o sindicato.

Mais conteúdo sobre:
AVIACAOEMBRAERMETALURGICOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.