Metrô de SP inaugura hoje mais uma obra

O projeto Arte no Metrô começou há exatos 30 anos, quando a Estação Sé, no centro de São Paulo, entrou em funcionamento. As três primeiras obras a serem expostas ali, integrando o acervo permanente da companhia, foram as esculturas Garatuja, de Marcelo Nitsche; uma sem título, de Alfredo Ceschiatti; e um mural de Renina Katz, também sem nome. Hoje, o acervo que reuniu 85 obras, ganha mais uma peça: o painel Gente, Viagem, Mente, da artista plástica Leilah Costa, na Estação Vila Mariana. No início, o Metrô comprava as obras. Do começo dos anos 90 para cá, o interesse dos artistas em ter uma criação exposta no metrô paulistano, por onde circulam 3,3 milhões de pessoas por dia, passou a falar mais alto. ?Eles procuram a companhia com um projeto, que é submetido a uma comissão especializada?, conta Gibson. ?Se aprovado, o artista fica livre para doar a obra ou viabilizá-la mediante patrocínio.? Atualmente, 31 das 55 estações em funcionamento contam com obras em exposição. Participam do projeto 61 artistas. Obras de Claudio Tozzi podem ser admiradas nas Estações Barra Funda (Movimento) e Sé (Colcha de Retalhos). Tomie Ohtake, na Consolação (Quatro Estações). Aldemir Martins na Tatuapé (Inter-Relação Entre o Campo e a Cidade) e Wesley Duke Lee na Trianon-Masp (Um Espelho Mágico da Pintura no Brasil). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.