Metrô do Rio não mudará funcionamento após falhas

Apesar da confusão de terça-feira, 23, para se chegar até a Missa de Abertura da Jornada Mundial da Juventude em Copacabana, com milhares de peregrinos e voluntários deixados sem transporte, o Metrô do Rio informou que não mudará o esquema já traçado para quinta, 25, e sexta-feira, 26, para o bairro.

Agência Estado

24 de julho de 2013 | 12h21

Amanhã, às 18 horas, será a festa de acolhida dos jovens; sexta, no mesmo horário, a Via Crucis, dois eventos com a presença do papa Francisco que devem atrair cerca de 1,5 milhão de fiéis por dia. O tráfego de ônibus, táxis e carros de passeio será interrompido ao meio-dia, o que irá sobrecarregar o metrô ainda mais.

O diretor de engenharia do metrô, Gilbert Flores, que atua há 14 anos no réveillon de Copacabana e eventos especiais, como os shows dos Rolling Stones e Stevie Wonder na praia, disse que "os horários serão mais espalhados do que no réveillon e muitos peregrinos vão de ônibus até Botafogo e, de lá, seguem andando".

Para os dois dias, o Metrô está vendendo bilhetes com horários definidos para o embarque entre meio-dia e 19 horas; no réveillon, os bilhetes são entre 18 horas e meia-noite, ou seja, uma hora a menos. O retorno do réveillon em geral é feito entre meia-noite e 7 horas; na quinta e na sexta, estima-se que seja entre 19 horas e 5 horas.

Na terça-feira, o metrô parou por conta do rompimento de um cabo de energia na altura da estação Uruguaiana. A energia das linhas 1 e 2 foram interrompidas para que as equipes de manutenção trabalhassem em segurança. O problema só foi sanado depois de duas horas. A falha não deve ter repercussão na operação de amanhã e sexta, segundo a concessionária.

Com os trens parados, milhares de pessoas desistiram de ir a Copacabana. O evento, sem a presença do papa, era um ensaio para os de quinta e sexta, que devem atrair o triplo de pessoas, por estarem entre os principais da JMJ e por causa da presença do papa.

Mais conteúdo sobre:
JMJmetrô

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.