Metrô-SP reduzirá tempo de espera com reforma de trens

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), entregou hoje dois trens reformados para a Linha 3-Vermelha do Metrô de São Paulo e três composições novas para a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). A meta do governo é, até 2014, reformar todos os 98 trens originais da Linha 1-Azul e da Linha 3-Vermelha do Metrô.

ÁLVARO CAMPOS, Agência Estado

10 Junho 2011 | 17h20

Com a modernização dos trens, a intenção é reduzir em 20% o intervalo na frequência dos trens, possibilitando assim que sejam colocados mais carros na linha, transportando mais gente. "Se multiplicar 98 (trens) por seis vagões, estamos falando de 588 novos vagões. Hoje a espera na Linha 3 é de 103 segundos, ela vai ser reduzida para 82 segundos. Isso permite 20% a mais de trem, para diminuir o sufoco, diminuir o aperto. Será um dos menores intervalos de espera em estação de metrô do mundo", disse Alckmin.

O governador afirmou que as melhorias estarão prontas antes da Copa do Mundo de 2014. A estação Itaquera do Metrô, na zona leste, fica ao lado do futuro estádio do Corinthians, que pode vir a receber jogos do mundial de futebol.

O presidente do Metrô-SP, Sérgio Avelleda, lembrou que os novos motores dos trens reformados consomem menos energia e a manutenção é muito mais fácil. "A gente tinha trem em corrente contínua, agora é em corrente alternada. Diminui o consumo e a manutenção é melhor", explica. Outra novidade são os freios ABS. "Com isso, acaba a restrição em dias de chuva. Nós vamos poder circular com a mesma velocidade", acrescentou.

Durante a viagem que fez hoje no novo trem, entre a estação Barra Funda e a Sé, Alckmin teve de ouvir reclamações dos usuários, que dividiram o vagão com as autoridades. "As pessoas que vão trabalhar às vezes ficam presas meia hora dentro do trem. Eu trabalho, sou cidadão e tenho o direito de reclamar", criticou o ajudante geral Dionatas Silva, de 19 anos. Ele mora em Franco Morato e usa a CPTM e o Metrô todo dia para ir trabalhar, no Bom Retiro. Alckmin ouviu a reclamação e relembrou as modernizações que estão sendo feitas nos transportes sobre trilhos.

Monotrilho

O governo espera para a semana que vem um parecer favorável sobre o processo judicial envolvendo a construção do monotrilho entre o Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo, e a região do Morumbi, a Linha 17-Ouro do Metrô. "O desembargador deve dar essa análise na semana que vem e se Deus quiser haverá compreensão. Há muita gente que quer e há aqueles que não querem. Todos têm de ser respeitados", disse o secretário de Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes.

A construção do monotrilho está impedida devido a uma liminar obtida pela Sociedade dos Amigos de Vila Inah (Saviah), que entrou na Justiça com uma ação civil pública alegando falta de licença ambiental e projeto básico. "Queremos o monotrilho pronto para maio de 2014 (para a Copa do Mundo). Agora, se nós não conseguirmos assinar o contrato até julho deste ano, aí nós só conseguiremos começar a obra em dezembro, janeiro (de 2012), aí não dá mais tempo", explicou o secretário.

O presidente do Metrô afirma que a Linha 17 não será construída para atender a demanda do Estádio do Morumbi, mas que, em dias de jogo, ela daria conta do público. "Ela terá capacidade de 50 mil passageiros por hora/sentido", lembra Avelleda. Na quarta-feira, o Metrô obteve a primeira licença ambiental para a construção, mas o Conselho Municipal do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Cades), ligado à Secretaria do Verde e Meio Ambiente, fez 55 exigências para liberar outras duas licenças ambientais necessárias.

Linha 4

No dia 29 de junho o governo do Estado pretende completar a integração da nova estação Pinheiros da Linha 4-Amarela do Metrô com a CPTM. "Teremos todas as escadas rolantes, elevadores, banheiros. E vamos também fazer a extensão do horário", afirmou o secretário de Transportes Metropolitanos. Atualmente a Linha 4 funciona das 4h40 às 15h, e a operação será estendida então até à meia-noite no final do mês, segundo Fernandes.

Mais conteúdo sobre:
trens reforma Metrô transportes SP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.