Mexicana que lutava para ficar com filho nos EUA é deportada

Após ficar refugiada em igreja por um ano, imigrante ilegal foi presa e expulsa do país.

BBC Brasil, BBC

20 de agosto de 2007 | 15h48

Uma mulher mexicana cuja luta para ficar nos Estados Unidos com o filho americano foi notícia em todo o país foi mandada de volta para o México como imigrante ilegal.Elvira Arellano, de 32 anos, foi presa em Los Angeles na tarde de domingo e deportada horas depois.Ela ficou conhecida nacionalmente após ficar refugiada durante um ano em uma igreja em Chicago para evitar ser separada do filho Saul, de oito anos, um cidadão americano.O menino está sob os cuidados de pessoas que estavam com a mãe quando ela foi presa. Elvira foi entregue às autoridades mexicanas em Tijuana e libertada, de acordo com representantes do país.O drama de Elvira Arellano e seu filho Saul se transformou em um poderoso argumento entre os grupos que brigam para que famílias de imigrantes ilegais sejam mantidas juntas.Em novembro, Saul foi ao Congresso mexicano fazer um apelo pessoal para que o processo de deportação da mãe fosse interrompido.Após o apelo, legisladores mexicanos apoiaram unanimemente uma resolução em que pediam aos Estados Unidos que suspendessem a deportação de Elvira e de quaisquer imigrantes pais de cidadãos americanos.Mas as autoridades americanas dizem que, se queria evitar que a família fosse separada, a mãe deveria levar o filho com ela para o México.Elvira se refugiou na Adalberto United Methodist Church, em Chicago, em agosto, desafiando a ordem de deportação. Mas, no último fim de semana, saiu da igreja para pedir reformas nas leis de imigração em Los Angeles. No sábado, ela declarou que não tinha medo de ser presa pela polícia de imigração americana. Disse que sempre havia a possibilidade de ser presa, mas preferia ficar nos Estados Unidos e lutar.Elvira entrou ilegalmente nos Estados Unidos pela primeira vez em 1997. Foi deportada, mas voltou alguns dias depois.Ela se instalou em Chicago, trabalhando como faxineira no Aeroporto Internacional de O''Hara, onde foi presa em 2002 e condenada por trabalhar com documentos falsos.Elvira tinha de ter se apresentado às autoridades para deportação no dia 15 de agosto de 2006, mas procurou refúgio com o filho na Adalberto United Methodist Church, em Chicago. A polícia de imigração não tentou prendê-la na igreja.Ativistas pelos direitos dos imigrantes disseram que farão protestos e vigílias para apoiar Elvira e exigir seu retorno aos Estados Unidos.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.