Microsoft não está mais interessada em um acordo com Yahoo!

Companhia de informática deixa caminho livre para acorde do Yahoo! Com o Google, sobre anúncios online

Danielle Chaves, da Agência Estado,

12 Junho 2008 | 17h29

As conversas entre o Yahoo! e a Microsoft sobre uma possível aliança foram encerradas, segundo confirmaram nesta quinta-feira, 12, as duas companhias. A Microsoft deixou livre o caminho para um acordo sobre anúncios online com o Google.   A decisão provavelmente significa o fim das negociações de cinco meses entre as duas companhias - um acordo que a Microsoft considerava essencial para sua estratégia de competir com o Google. A Microsoft afirmou ao Yahoo! que não está mais interessada em uma compra, mesmo com o preço de US$ 33,00 por ação oferecido no mês passado.   O acordo foi abandonado no último fim de semana, em uma reunião entre diretores do Yahoo! e representantes da Microsoft. No encontro, a gigante do setor de softwares deixou claro que não queria mais a transação, segundo fontes próximas ao assunto. As duas companhias discutiram nas últimas semanas sobre uma alternativa, pela qual a Microsoft compraria o negócio de busca online do Yahoo!, mas o Yahoo! concluiu que tal arranjo seria impossível.   O Yahoo! agora planeja conseguir um acordo sobre anúncios em páginas de busca com o Google, que poderia ser divulgado ainda nesta quinta. Detalhes do plano não foram imediatamente esclarecidos, mas as duas empresas têm conversado sobre um acordo pelo qual o Yahoo! terceirizaria os anúncio para o Google.   Analistas acreditam que tal acordo aumentaria significativamente o fluxo de caixa do Yahoo!, porque o sistema do Google gera muito mais receita por cada busca do que o sistema do Yahoo!.   A notícia do fim das negociações derrubou as ações do Yahoo!, que, fecharam em baixa de 10,06% na Nasdaq, para US$ 23,52. As ações do Google subiram 1,42%, para US$ 552,95, enquanto as da Microsoft avançaram 4,13%, para US$ 28,24.

Mais conteúdo sobre:
Yahoo! Microsoft

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.