Microsoft quer recomprar ações por US$ 40 bi

Para analistas, operação de cinco anos visa aumentar o valor das ações da empresa.

Da BBC Brasil, BBC

23 de setembro de 2008 | 16h21

A fabricante de programas de computador Microsoft anunciou um plano de US$ 40 bilhões para recompra de ações da própria companhia nos próximos cinco anos, no que pode ser a maior iniciativa do tipo já lançada por uma empresa.Ao explicar o lançamento do plano, o diretor financeiro da Microsoft, Chris Liddell, disse que ele mostra a confiança da empresa no seu próprio crescimento no longo prazo e seu "compromisso com o retorno de capital aos nossos acionistas".Analistas acreditam que a empresa espera aumentar o valor de suas ações, que caiu quase 30% este ano em parte por sua tentativa fracassada de comprar o portal de internet Yahoo por US$ 47,5 bilhões.A repórter de tecnologia da BBC Maggie Shiels disse que já se esperava que a Microsoft anunciasse algum grande investimento, já que a multinacional americana tinha muito dinheiro guardado para a compra do Yahoo.Nike e HPNo final de junho, a empresa tinha um montante de reserva de US$ 23,7 bilhões e nunca esteve endividada em seus 33 anos de existência.De acordo com a consultoria britânica do setor de tecnologia Dealogic, o plano de recompra da Microsoft é a maior operação de recompra de uma única empresa já feito.Ele se segue outro plano com o mesmo objetivo, de US$ 40 bilhões, que foi lançado pela Microsoft em 2004 e já concluído.Outras duas empresas anunciaram planos semelhantes ao da Microsoft: a Hewlett-Packard, do setor de computadores, e a Nike, fabricante de tênis e artigos esportivos.A HP informou que sua diretoria aprovou o plano depois de um programa anterior, que começou em novembro. Do plano inicial de US$ 8 bilhões, ainda restam US$ 3 bilhões.Já o plano da Nike de recompra de ações nos próximos quatro anos é de US$ 5 bilhões.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.