Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Davi Pinheiro/Reuters
Davi Pinheiro/Reuters

Mil manifestantes se concentram em Fortaleza

Este é o quatro protesto realizado nesta semana na capital cearense; governador Cid Gomes recebeu manifestantes nesta sexta e condenou o vandalismo

Lauriberto Braga, de O Estado de S. Paulo,

21 de junho de 2013 | 18h26

Cerca de mil manifestantes estão concentrados no Centro Cultural Dragão do Mar, na Praia de Iracema, em Fortaleza. De lá, eles pretendem sair para o canteiro de obras do Acquário Ceará, onde vaiarão por mais cinco minutos os gastos do governo do Estado. Do Acquário, os manifestantes seguirão para o Paço Municipal, onde tentarão ser recebidos pelo prefeito Roberto Cláudio (PSB). A maioria dos manifestantes é formada por estudantes que reivindicam 10% do Produto Interno Bruto (PIB) para a Educação. A polícia acompanha de longe a manifestação.

Este o quatro protesto realizado nesta semana em Fortaleza. O primeiro, na segunda-feira, 17, reuniu 500 manifestantes, que seguiram da Praça da Gentilândia até o hotel onde estava hospedada a seleção brasileira. A segunda, na quarta-feira, 19, no dia do jogo entre Brasil e México pela Copa das Confederações, reuniu 30 mil manifestantes do Movimento Mais Pão, Menos Circo. O terceiro, puxado na noite desta quinta-feira, 20, pelo Movimento Passe Livre (MPL), teve 5 mil participantes e terminou com vandalismo no Palácio da Abolição, sede do governo do Estado.

Nesta sexta-feira, o governador Cid Gomes (PSB) condenou a vandalismo, ao receber no palácio representantes dos manifestantes. O manifestante Gabriel Bonavides foi um dos que participaram do encontro com o Gomes. "Falando com o presidente da Assembleia, deputado José Albuquerque (PSB), veio o prefeito, veio o Cid e se abriu o espaço para cem pessoas na Assembleia Legislativa que serão escolhidas pelos movimentos para conversar com o prefeito e o governador na próxima semana. Agora, os movimentos vão dialogar para que eles continuem gritando nas ruas, mas que converse também para que a gente torne realidade tudo aquilo que a gente reivindica", disse. Os manifestantes estão a favor do Passe Livre, mas primeiro pedem a redução da tarifa do ônibus em Fortaleza para 2 reais e a entrega imediata das carteiras de estudantes que venceram em abril. Bonavides disse que outras manifestações acontecerão. "O movimento não vai parar", anunciou.

Tudo o que sabemos sobre:
ProtestosCearáFortaleza

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.