Milhares de pessoas pedem volta de Zelaya na capital de Honduras

Com bandeiras de Honduras e entoando músicas de protesto, milhares de simpatizantes do presidente deposto Manuel Zelaya chegaram nesta terça-feira à capital do país para pedir a restituição do mandatário, expulso do poder em 28 de julho.

GUSTAVO PALENCIA, REUTERS

11 Agosto 2009 | 16h49

Os manifestantes marcharam vários quilômetros a partir de várias localidades do país da América Central até Tegucigalpa, como objetivo de protestar e aumentar a pressão sobre o governo do presidente interino, Roberto Micheletti.

"Esses golpistas têm que ir, o povo está contra o golpe; o presidente Zelaya é o eleito pelos hondurenhos, não os militares golpistas", disse Sarahí Avilez, funcionária pública de 32 anos.

Ao grito de "Viva Olancho", em alusão ao Estado natal de Zelaya, alguns dos manifestantes usavam o chapéu que se converteu em símbolo do presidente.

"Queremos que Mel regresse", clamavam outros sob o intenso calor que assolava a capital hondurenha enquanto marchavam em direção ao Palácio Presidencial, rodeado por seguranças.

As negociações para uma solução à crise em Honduras, a pior nas últimas duas décadas na América Central, estão travadas enquanto a Organização dos Estados Americanos (OEA) tenta dar novo fôlego à proposta do presidente de Costa Rica, Oscar Arias, de devolver a cadeira presidencial a Zelaya.

O governo interino se opõe à volta do mandatário, expulso sob a mira de pistolas com o respaldo das Forças Armadas, de grande parte do espectro político e da Igreja por supostamente ter violado a Constituição ao tentar forçar uma reeleição.

O golpe de Estado foi condenado pela comunidade internacional, incluindo os Estados Unidos, que têm insistido sem sucesso na necessidade de que Zelaya volte ao poder para terminar o mandato, que termina no começo do ano que vem.

(Reportagem de Gustavo Palencia)

Mais conteúdo sobre:
HONDURASPROTESTOSZELAYA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.