Milhares de tropas iemenitas garantem apoio a líder exilado

Um comandante do Exército iemenita de um amplo distrito militar que cobre metade da fronteira do país com a Arábia Saudita garantiu seu apoio neste domingo ao presidente exilado Abd-Rabbu Mansour Hadi, disseram autoridades locais.

REUTERS

19 Abril 2015 | 13h20

O anúncio coloca ao menos 15 mil tropas na região fronteiriça de deserto e montanha do lado defendido pela vizinha Arábia Saudita, que apoia Hadi e já se engajou em uma campanha de bombardeio de três semanas contra rebeldes houthis, aliados do Irã no Iêmen.

"O general brigadeiro Abdulrahman al-Halily do primeiro distrito militar anunciou hoje seu apoio à legitimidade constitucional representada pelo presidente Hadi", disse uma das autoridades à Reuters.

A declaração também foi transmitida na rádio oficial na cidade de Seiyun, a principal na área do vale de Hadramawt onde a principal base militar do distrito está localizada.

A maior parte do Exército do Iêmen é leal ao poderoso ex-presidente Ali Abdullah Saleh, cujas forças estão combatendo ao lado de milícias muçulmanas xiitas em batalhas que se estendem pelo sul e leste do Iêmen.

Mas a derrota das tropas no nordeste traz para 10 o número de divisões que apoiam Hadi. Isso aponta para a sensação de que o momento da situação militar favorece o presidente, que mora no exílio na capital saudita de Riad.

No início da semana passada, a maioria das divisões do Exército dispostas ao longo da costa leste do mar Arábico abandonou seus postos e entregou a segurança de suas bases e dos postos de petróleo de Masila, os maiores do país, a tribos sunitas armadas.

Outras tribos poderosas seguiram na segunda-feira a posição do primeiro distrito militar, anunciando após uma reunião ampla que eles apoiavam Hadi e as operações militares da Arábia Saudita, em uma manifestação que encorajou fortemente a decisão do comandante.

(Reportagem de Mohammed Mukhashaf e Mohammed Ghobari)

Mais conteúdo sobre:
IEMENMILITANTESLIDER*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.