Milionário americano planeja criar espaçoporto

Uma nave espacial que partisse do espaçoporto financiado e desenvolvido pelo fundador do site Amazon.com, Jeff Bezos, iria decolar verticalmente mas, diferentemente do ônibus espacial da Nasa, também aterrissaria verticalmente, de acordo com um estudo ambiental que oferece uma rápida visão dos planos secretos do milionário. A nave atingiria uma altitude de quase cem quilômetros antes de descer e religar seus motores para "um preciso pouso vertical na plataforma" no Condado de Culberson, área pouco povoada, a cerca de 200 quilômetros ao leste de El Paso.Esses são alguns dos planos detalhados em um esboço de 229 páginas de uma análise ambiental apresentada à Administração Federal de Aviação (FAA). A FAA terá de emitir permissões e licenças para que a companhia Blue Origin, financiada por Bezos, vá adiante com os planos de lançamento.O relatório foi apresentado pela Blue Origin e a Tetra Tech Inc., uma firma de consultoria técnica e de engenharia de Pasadena, Califórnia. De acordo com o site da Blue Origin, a empresa "está desenvolvendo veículos e tecnologias que, com o tempo, ajudarão a possibilitar uma presença duradoura no espaço". "Nós estamos atualmente trabalhando para desenvolver um sistema de lançamento suborbital tripulado que enfatiza a segurança e o baixo custo das operações", diz o site. Pelo menos dez testes de vôo com duração de um minuto e alcançando uma altitude de cerca de 610 metros poderiam ocorrer este ano no espaçoporto, ao norte de Van Horn, no Rancho Corn, de 165 mil acres, propriedade de Bezos. Ao longo dos três próximos anos, pelo menos 25 lançamentos seria feitos anualmente, crescendo em altitude para cerca de cem quilômetros e em duração, para mais de dez minutos. Vôos comerciais, um objetivo do projeto, poderiam começar em 2010, de acordo com a programação do documento, com cerca de 52 por ano. "O índice de vôo dependeria da demanda do mercado", disse o documento apresentado à FAA.De acordo com o relatório ambiental, a nave que será lançada do oeste do Texas incluiu um módulo para a propulsão e um "capaz de levar três ou mais pessoas ao espaço". Os dois serão empilhados, um em cima do outro, para formar um veículo de formato cônico com cerca de 15,3 metros de altura e 6,7 metros de diâmetro na base. Estudos mostraram que não há nenhuma espécie ameaçada ou em perigo na área do projeto, de acordo com o relatório ambiental. Além disso, 14 tribos indígenas, que poderiam ter afiliação cultural com a área, foram contatadas, mas nenhuma indicou impacto pelo projeto.

Agencia Estado,

24 de julho de 2006 | 15h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.