Militantes islâmicos destroem tumbas em mesquita no Mali

Militantes islâmicos destruíram duas tumbas nesta terça-feira na famosa mesquita do século 14 Djingareyber em Tombouctou, classificada pela Unesco como patrimônio mundial, disseram moradores.

Reuters

10 de julho de 2012 | 13h31

Cerca de uma dúzia de militantes chegaram em um caminhão blindado, armados com picaretas e enxadas. Eles dispararam para o ar para intimidar as pessoas e começaram a quebrar os túmulos, contou Ibrahim Cisse, que testemunhou a cena.

A destruição vem depois de ataques na semana passada a outros monumentos históricos e religiosos em Tombouctou, que a Unesco chamou de "destruição injustificada".

Islâmicos do grupo Ansar Dine dizem que os santuários centenários da versão local Sufi do Islã são idolatrados.

O Ansar Dine e aliados bastante armados, incluindo o grupo dissidente da Al Qaeda tomaram um levante separatista por rebeldes tuaregues locais e agora controlam dois terços do deserto norte do Mali, território que inclui as regiões de Gao, Kidal e Tombouctou.

Eles já destruíram pelo menos oito dos 16 mausoléus listados na cidade, juntamente com uma série de túmulos e uma porta sagrada na mesquita Sidi Yahya, em sua campanha para apagar vestígios do que eles consideram como idolatria não-islâmica.

(Reportagem de Adama Diarra)

Tudo o que sabemos sobre:
MALITOMBUCTUMESQUITA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.