Minc manda revisar multas ao Incra por desmatamento

A divulgação da lista, ontem, dos 100 maiores desmatadores na Amazônia, que coloca o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) como um dos principais responsáveis pelos danos, causou uma crise no governo. A lista foi divulgada pelo Ministério do Meio Ambiente. O ministro do Desenvolvimento Agrário, Guilherme Cassel, disse que há "erros crassos" no relatório. Diante da crise, o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, deu prazo de 20 dias para o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), que elaborou o levantamento, revisar toda a papelada das multas ao Incra e dizer se elas estão corretas ou não. Para Cassel, a acusação contra o Incra é um golpe contra a reforma agrária. Ele citou entre os erros o de um relatório em que "por exemplo, as coordenadas do Ibama não correspondem às coordenadas do assentamento." Em outro projeto de assentamento, segundo Cassel, "a imagem usada como parâmetro para medir o desmatamento é de três anos anteriores à própria criação do assentamento." Minc e Cassel participam hoje de cerimônia de assinatura da primeira concessão de reserva florestal. A concessão é para três empresas que venceram a licitação numa área de 96 mil hectares, em Rondônia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.