Minifábrica no sítio

Florips Oliveira Flores Pinto vive em um pequeno paraíso particular nas imediações de Congonhas chamado Bombaça. Se sobe a ladeira, está na horta cercada de limoeiros tão bonitos que lembram os do filme israelense Lemon Tree. Ladeira abaixo, há um moinho construído há anos pelo sogro, de onde ela tira a matéria-prima para suas quitandas. Nos 300 mil metros do sítio Bombaça, nome que homenageia a antiga moradora, uma abastada fazendeira, vivem Florips, o marido, Roberto, as duas filhas e...uma siriema e um tucano que apareceram por ali e foram acolhidos pela família. "Foi vendendo quitanda que conquistei tudo isso aqui", revela a quitandeira. Tem um sorriso bom. Veja também: Dicionário da quitanda Fornada mineira 'Quitandas' para a prateleira Elas são boas de farinha e fubá: Maria do Carmo Santos Costa: 'Cubu é forte e sustenta' As Tânias de Ouro: Bolos que acabam rapidinho Quitutes: Receita de cubu Receita de bolo de mandioca Florips é uma quitandeira moderninha: tem uma minifábrica em sua casa. Há telas nas portas, pilhas de biscoitos devidamente empacotados, com selo Bombaça. "Gosto de fazer bolos com fubá. Na hora de assar, vem um cheiro! Ninguém merece de tão bom". A artesã-industrial inventou um cremoso bolo-pudim de mandioca. "Em matéria nutricional é ótimo. Perfeito para fazer quando aparece alguém de surpresa". Como nós? "Não, eu senti que vinham. Acordei e pedi ao pessoal ‘arrumem a casa, teremos visita’."

Giovanna Tucci,

21 Maio 2009 | 08h32

Mais conteúdo sobre:
Paladar Congonhas quitanda

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.