Ministério Público apura morte de presidente do TJ-SP

Promotoria pediu os laudos dos legistas e toxicologistas para averiguar quantidade de álcool que teria sido ingerida pelo magistrado

Ítalo Reis, estadão.com.br

12 Março 2012 | 17h47

SÃO PAULO - O Ministério Público de São Paulo (MP-SP) informou nesta segunda-feira, 12, que investiga a morte do desembargador Antonio Carlos Viana Santos. Ele era presidente do Tribunal de Justiça do Estado quando morreu em janeiro de 2011, aos 68 anos.

A promotora Soraia Simões Munhoz pediu os laudos dos legistas e toxicologistas para averiguar se é possível uma pessoa ingerir a quantidade de álcool apontada no parecer de morte do magistrado, que foi de 10 gramas por litro de sangue. O Ministério Público não deu outras informações pois a investigação corre em segredo de Justiça.

O laudo da Polícia Civil apontou a morte de Viana Santos como "súbita com origem cardíaca". Diabético, o desembargador enfrentou problemas de saúde meses antes de morrer e chegou a ser internado duas vezes. Ele presidia o TJ-SP havia um ano quando morreu. Foi o primeiro a falecer no cargo.

Antonio Carlos Viana Santos formou-se em 1965 pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP). Iniciou a vida pública quatro anos depois, em Jundiaí. Em 1988, foi promovido a desembargador do Tribunal de Justiça. Ele chegou a atuar como professor de Direito Civil.

Mais conteúdo sobre:
morte presidente TJ-SP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.