Ministério Público descobre esquema de pedofilia pela internet

Investigação analisou material que era trocado por vários usuário por meio do programa e-mule

Solange Spigliatti, do estadao.com.br,

03 Novembro 2008 | 07h26

Uma investigação da Polícia Federal descobriu que um homem, que não teve o nome divulgado, praticava crime de pedofilia via internet e compartilhava vídeos e fotografias pelo programa e-mule. Com base nessas investigações, o Ministério Público Federal (MPF) em Laguna, Santa Catarina, propôs uma ação penal contra o suspeito.     A investigação se concentrou na análise do material disponibilizado por usuários do programa e-mule, a partir da identificação de diversos endereços de IP (''Internet Protocol'') de máquinas que estavam compartilhando arquivos de vídeos e fotografias com conteúdo de pornografia infantil. Por meio de mandado judicial de busca e apreensão, foram encontrados no computador do denunciado arquivos com farto conteúdo de pornografia ou cenas de sexo explícito envolvendo crianças e adolescentes.     A pedido da PF, a Justiça Federal em Laguna decretou a prisão do acusado. Agora, com a denúncia apresentada pelo MPF, em virtude do delito admitir pena alternativa, sem prisão, o procurador da República Celso Antônio Tres opinou pela soltura do acusado, para que ele responda em liberdade. Com a ação penal, o acusado responde pelas sanções previstas no artigo 241 da Lei nº 8.069/90, do Estatuto da Criança e do Adolescente, que tipifica como crime a divulgação, por meio da internet, de fotografias com pornografia e cenas de sexo explícito envolvendo criança ou adolescente.

Mais conteúdo sobre:
crime pedofilia MP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.