Ministro Marco Aurélio Mello critica discussão de colegas do STF

O ministro do Supremo Tribunal Federal Marco Aurélio Mello afirmou nesta sexta-feira ter ficado "assustado" com a discussão entre o relator da ação penal do mensalão, Joaquim Barbosa, e o revisor do processo, Ricardo Lewandowski.

Reuters

03 de agosto de 2012 | 15h24

Segundo o ministro, disputas que "descambam" para agressões pessoais "afetam a imagem da Corte".

"O que eu vi ontem, eu fiquei pasmo. Ainda mais em se tratando de um colegiado deste nível", disse Marco Aurélio a jornalistas antes do início da sessão.

Os ministros discutiram durante sessão, na quinta-feira, diante do pedido de desmembramento proposto pelo advogado e ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos para que os réus que não têm foro privilegiado não fossem julgados pelo Supremo. Thomaz Bastos representa José Roberto Salgado, ex-diretor do Banco Rural.

Barbosa posicionou-se contra o pedido da defesa, e Lewandowski, a favor. A questão gerou bate-boca entre Lewandowski e Barbosa, que afirmou haver “"deslealdade" e indagou sobre os motivos do revisor não ter levantado a questão meses atrás, antes do início do julgamento.

O presidente do Supremo, ministro Ayres Britto, tentou interromper a discussão, que estaria indo para o “ "lado pessoal".

Em uma crítica velada ao colega Joaquim Barbosa, Marco Aurélio Mello ainda demonstrou preocupação com o clima no Supremo a partir do final deste ano, quando Barbosa assume a presidência da Corte, com a aposentadoria de Ayres Britto.

"O presidente da casa é algodão entre os cristais, o presidente não pode ser metal entre os cristais", disse.

O segundo dia do julgamento da ação penal do mensalão, nesta sexta, será destinada à apresentação do Procurador-Geral da República, Roberto Gurgel.

(Reportagem de Ana Flor e Hugo Bachega)

Mais conteúdo sobre:
POLITICAMENSALAODISCUSSAOLEGAL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.