Ministro promete facilitar abertura de cursos de Medicina

Convidado para a aula inaugural da primeira turma de Medicina da Faculdade Santa Marcelina, em São Paulo, Alexandre Padilha prometeu facilidade para instituições que quiserem abrir novos cursos no País.

O Estado de S.Paulo

04 de agosto de 2012 | 03h07

"Esperamos que não haja tanta demora para abrir o curso como houve aqui. Se não criarmos novas vagas, só em 2050 vamos conseguir atingir a meta de 2,7 médicos para cada mil habitantes, que é a proporção atual da Inglaterra", disse Padilha.

Segundo o ministro, a carência de profissionais é agravada pela proporção desigual entre regiões. Enquanto em Brasília e no Rio há até 4 médicos por mil habitantes, em capitais pobres esse número cai para 0,9. Em São Paulo, a proporção é de 1,9.

Padilha disse que haverá um trabalho mais próximo com o Ministério da Educação, com ênfase nas Regiões Norte e Nordeste. "Precisamos criar vaga conforme as especialidades, pois faltam profissionais em áreas como oncologia e pediatria. Geriatras, por exemplo, terão maior demanda com o aumento da expectativa de vida." / BRUNO DEIRO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.