Ministros árabes cobram implementação de plano de Annan na Síria

Chanceleres árabes defenderam na quarta-feira a rápida implementação de um plano de paz apoiado pela ONU para tentar resolver a crise na Síria, e que foi aceito nesta semana pelo presidente Bashar al Assad.

MARIAM KAROUNY, REUTERS

28 Março 2012 | 19h06

Reunidos em Bagdá para uma cúpula que acontece na quinta-feira, os ministros da Liga Árabe manifestaram seu aval ao plano concebido por Kofi Annan, enviado especial da ONU e da Liga para a questão síria. O plano prevê um cessar-fogo e um diálogo político, mas sem impor a renúncia de Assad como pré-condição.

A Síria aceitou o plano, mas rejeitou na quarta-feira qualquer iniciativa a ser adotada pela cúpula, dizendo que só irá lidar com Estados árabes individualmente, já que a Liga suspendeu a Síria devido à violência interna que dura mais de um ano.

"Não podemos ser imparciais nessa questão da violência, dos assassinatos e do derramamento de sangue cotidianos", disse o chanceler iraquiano, Hoshiyar Zebari, ao final do segundo dia de deliberações.

"A resolução internacional que a Síria aprovou, acreditamos que seja um passo positivo e construtivo (...). Mas ela precisa de implementação", disse o ministro, para quem a proposta é a "última chance" de resolver o conflito.

Divididos sobre como lidar com a crise, os Estados árabes parecem ter recuado da sua proposta inicial para que Assad se afastasse do poder durante as negociações com a oposição.

Segundo Zebari, a Liga Árabe não aceitará nenhuma intervenção estrangeira na Síria.

Enquanto potências sunitas como Arábia Saudita e Catar tentam isolar a Síria, outras nações árabes, como Argélia, Egito e Iraque, pedem mais cautela, temendo que a derrubada de Assad cause mais violência étnica, inclusive além das fronteiras sírias.

"A prioridade é acabar com a violência na Síria", disse o chanceler dos Emirados Árabes Unidos, Anwar Qarqash, em Bagdá. "Apoiamos a proposta de Annan."

Ali al Dabbagh, porta-voz do governo iraquiano, disse que a Liga tentará definir formas de implementar a proposta de Annan, incluindo possíveis negociações com os adversários de Assad, mas não entrou em detalhes.

Governos árabes e ocidentais receberam com ceticismo a notícia de que Assad teria decidido aceitar o plano de Annan. A secretária norte-americana de Estado, Hillary Clinton, disse que Assad tem um histórico de "prometer demais e cumprir de menos", e que por isso é preciso esperar ações concretas.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, deve participar da cúpula árabe de quinta-feira.

É a primeira vez em duas décadas que o Iraque recebe uma reunião desse tipo, e será também a primeira a ser comandada por um líder xiita, o premiê Nuri al Maliki.

(Reportagem adicional de Patrick Markey)

Mais conteúdo sobre:
SIRIA ARABES COBRAM*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.