Minoritários da Brasil Telecom negam troca de ações com Oi

Os acionistas minoritários da Brasil Telecom não aceitaram em assembleia realizada nesta quarta-feira a nova proposta de relação de troca de ações da empresa por papéis da Oi, em um revés para os planos de simplificação societária do grupo de telecomunicações.

REUTERS

16 Junho 2010 | 14h02

"Tendo em vista a rejeição das novas relações de substituição, as companhias informam que a simplificação societária... está suspensa por prazo indeterminado", informaram as empresas em fato relevante à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

As ações ordinárias da BrT reagiam à notícia em forte baixa. Às 13h50, esses papéis --que não integram a carteira teórica do Ibovespa-- recuavam 9,19 por cento, para 16,70 reais.

Já as preferenciais da BrT perdiam 3,20 por cento, a 12,10 reais. A ação preferencial da Oi apresentava a maior queda dentro do Ibovespa, com desvalorização de 3,96 por cento, a 28,84 reais, frente à alta de 0,21 por cento do índice. Em seguida aparecia a preferencial da Telemar Norte Leste, com queda de 3,49 por cento, a 53,66 reais.

A troca de ações da BrT por papéis do grupo Oi era a última etapa do processo de reorganização societária prevista na operação anunciada em abril de 2008, quando a Oi revelou acordo para compra do controle da BrT.

Em janeiro deste ano, por conta de contingências judiciais imprevistas na BrT, as duas empresas concordaram em rever a relação de substituição de ações no processo de incorporação pela Oi. Após o levantamento de uma auditoria, os valores relativos a essas contingências no balanço da BrT quase dobraram, para 2,5 bilhões de reais.

Em 15 de janeiro, dia seguinte ao anúncio de que a relação de troca de ações da BrT por Oi seria revisada, as ações da BrT tiveram queda expressiva.

Em março, a Oi anunciou uma nova relação de substituição a ser deliberada na assembleia da BrT desta manhã, de 0,3955 ação ordinária da Telemar para cada ação ordinária da BrT (de 0,4137 ação anteriormente) e de 0,2191 ação preferencial classe C da Telemar para cada ação preferencial da BrT (de 0,2531 anteriormente). Na ocasião, as ações de ambas as empresas também caíram.

(Reportagem de Alberto Alerigi Jr. e Rodolfo Barbosa)

Mais conteúdo sobre:
TELECOM OI BRASILTELECOM*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.